الـعـربية Español Français English Deutsch Русский Português Italiano
quinta-feira, 1 de dezembro de 2022
 
 
 
Actividades Internacionais

“Um dos paradoxos estranhos, encontrar os líderes da Polisario, manchados de violações, apresentando-se  ao mundo como uma vítima.” (Saadani Maoualainine)

Um grupo de pessoas interessadas nas condições das mulheres denunciou, quarta-feira passada, as condições das detidas nos campos de Tindouf, perante uma situação ambígua, em termos jurídicos, sociais e humanitários, envolvendo as violações dos direitos das mulheres pelos líderes do Polisario.




Durante este simpósio internacional organizado pelo Comitê Nacional de Direito Internacional Humanitário sobre o tema "proteção dos direitos das mulheres durante crises humanitárias", explicando que a delegação do país anfitrião o mandato legal a uma entidade fictícia constitui uma verdadeira fonte em torno desta situação ambígua.

Tais participantes desta manifestação internacional também apresentaram várias imagens das graves violações - físicas e psicológicas - das mulheres saarauis marroquinas,  sofrendo durante  duas gerações.

A este respeito, a ativista de direitos humanos e membro do Conselho Consultivo Real para os Assuntos saranianos, Saadani Maoualeinan apresentou um comovente testemunho sobre seu deslocamento forçado, junto com outras crianças, a destino de Cuba, separada de sua família por mais de 18 anos.

A Sra. Saadani Maoualainine  também apresentou  sobre as violações sistemáticas dos direitos humanos nos campos de Tindouf, tendo em vista a vanguarda da cena nos campos, envolvendo os  que servem a objetivos políticos e pessoais.

O activista dos direitos humanos sublinhou ao dizer que “é uma estranha ironia  ver os líderes da Polisario, manchados com violações das suas mãos, apresentando-se ao mundo como vítimas”, denunciando a violação dos direitos das crianças, através do deslocamento forçado, recrutamento, torturando, acusados de ódio contro o Marrocos, perante as outras práticas abomináveis.

Por sua vez, o professor universitário e ex-reitor da Escola de Economia e Governança de Brunda, Buchanan Ismail Aboy explicou que as vontades de Marrocos e de Ruanda unir em prol de defender os direitos das mulheres, contro o status quo, chamando a frente internacional para acabar com o sofrimento das mulheres, aquelas que sofrem como os abusos, as perseguições e as privações nos campos de Tindouf, paralelamente as reformas institucionais que os países se realizam a esse respeito.

O Sr. Aboy citou vários exemplos de violações das mulheres nos campos de Tindouf,  sudoeste da Argélia, cujo flagelo da escravidão  continua até os dias atuais, destacando que a realidade dessas mulheres detidas em condições desumanas, permanece fora do monitoramento internacional de direitos humanos, enquanto o país anfitrião Impede os atores de direitos humanos a entrar nesses campos cercados.

Destacando a urgência de defender os direitos dos habitantes de Tindouf, sobretudo as mulheres, dado o contínuo contrabando de ajuda humanitária,  afetando o dia a dia desses detidos, visando a eliminação e acabar com essa população. constituindo “um ponto de partida, básico para qualquer iniciativa que busque uma saída para os direitos das mulheres nestes campos”.

Sr Mahjouba Al-Daoudi, presidente do Sahara Center for Media, Studies and Research, sublinhou no tema cujo titulo "a esperanca das mulheres detidas nos campos de Tindouf, aliviar o seu sofrimento", tratando das formas de tráfico humano, do casamento forçado e exploração sexual, alem dos exemplos das vítimas de estupro e assassinato extrajudicial nas mãos de líderes da Polisario.

A Senhora Daoudi indicou também que a ausência de infraestruturas básicas de saúde e de recurso por parte da Polisario nos centros de detenção agravam a trágica situação das vítimas da repressão, sobretudo as mulheres e raparigas .

Por sua vez, o Presidente da Associação (Ação Mundial para os Refugiados) na Noruega, Sr. Eric Cameron destacou que a terrível situação das mulheres nos campos de Tindouf, causada pelo contínuo contrabando de ajuda humanitária, mantém as detidas num estado de doenças crônicas, como a anemia e deficiências nutricionais.

Finalmente, o programa desta reunião tem contado com a presença sobre as autoridades governamentais em torno dos direitos humanos,  alem de uma fita de vídeo sobre o depoimentos de mulheres detidas em Tindouf,  vítimas de violência sexual e recrutamento de crianças a servir ilegalmente, tal testemunho foi daqueles que retornaram à pátria, Marrocos.

Notícias sobre o saara ocidental-Corcas

 

 Este site não será responsável pelo funcionamento e conteúdo de links externos !
  Copyright © CORCAS 2022