الـعـربية Español Français English Deutsch Русский Português Italiano
23 de abril de 2024
 
 
 
Actividades Internacionais

Ahmed  Lakhrif,  membro do Conselho em Nova York: Não é uma coincidência que o povo do Saara seja na frente nacional da participação política e nas eleições

 A comunidade internacional fracassou durante os 41 anos para defender os direitos humanos nos campos de Tindouf, sudeste da Argélia que se tornou a única no mundo, onde o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) trabalha com responsáveis que desconhecem o número desse povo e sem nenhum poder sobre a distribuição de ajuda humanitária destinada a eles.

 



O Sr. Ahmed Lakhrif, membro do Conselho Real Consultivo para os Assuntos Sarianos, sublinhou antes da Quarta Comissão da Assembleia Geral das Nações Unidas, em Nova York, que os eleitos das regiões do Saara marroquino a serem escolhidos pela população sarauí são os únicos a ter o direito a usar a qualidade da "representatividade dos habitantes das regiões saranianas," perguntando: "Como os sepatatistas da Polisário pretendem falar em nome dos sarauís  enquanto eles não foram eleitos por qualquer um deles? Em nome de que estes trabalham? Quem os nomea e os autoriza para falar em nome dos sarauís, e nós acreditamos que a maioria absoluta dos sarauís vivem em seu país nas províncias do sul do Reino de Marrocos?"

  O ex- ministro encarregado junto ao Ministro de Cooperação e dos Assuntos Externos esclareceu que, como sarauí nascido e criado na parte do sul do Reino de Marrocos, e como ex-Secretário do Estado e, como conselheiro eleito em Laayoune, capital do Saara marroquino, membro do Conselho dos conselheiros do Parlamento marroquino, sua eleição desde 1983 e sua reeleição em muitas vezes  como Vice-presidente do Conselho Municipal da cidade de Laayoune, além de ser um membro do Conselho Real Consultivo para os Assuntos Saranianos (CORCAS), bem como  representante do Congresso dos conselheiros do Parlamento Centro-americano, desde Janeiro de 2016, estes dados os permitem ter o direito de falar com toda a legitimidade e a legalidade em nome do sarauí confiante nele e que votou nas eleições direitas a seu favor, e juntamente ao lado de todos os outros sarauís eleitos.

  Por outro lado, Sr Lakhrif aproveitou a reunião do Comité da Quarta que coincidiu com o sexagésimo aniversário da adesão do Reino de Marrocos junto das Nações Unidas, a fim de enfatizar o compromisso sincero de Marrocos para os propósitos das Nações Unidas, dos princípios da promoção da paz, da segurança internacionais e do desenvolvimento para todos os povos e das nações do mundo, especialmente os países em desenvolvimentos e os países do Sul.

  Para os países do Sul, ele expressou seu sincero agradecimento e sua gratidão do povo de Marrocos para os países da África que apoiaram Marrocos e pediram a sua volta à União Africana como uma prova da importância do Reino de Marrocos e de seu papel substancial no continente Africano,  ator principalmente na defesa das questões Áfricas em todos os fóruns internacionais.

  E, lembrando o público da recente decisão do Conselho de Segurança da ONU, o Sr Laghrif sublinhou que esta decisão reafirmou os parâmetros básicos para uma solução política do conflito do Saara, convidando todas as partes, notadamente os Estados vizinhos para agir com realismo e espírito de compromisso neste processo político para encontrar uma solução definitiva para este conflito, que durou um longo tempo, deixando a situação humanitária indesejável nos campos de Tindouf, no território da Argélia.

  Neste contexto desses campos, o representante do Reino de Marrocos: "Permitam-me compartilhar minha interrogação que me preocupa de forma particular, por que todo esse medo para a divulgação do número de pessoas nestes campos ? Durante os 41 anos que durou este conflito, a comunidade internacional fracassou na defesa dos direitos humanos e sua violações nesses campos, bem como na realização de um censo. Trata-se do único acampamento no mundo que o Alto Comissariado para os refugiados (ACNUR) se empenhou no sentido de apresentar as ajudas humanitária sem  saber seus números exatas !!! mas sem ter nenhuma lista ou qualquer regulamento? Além de  não ter qualquer autoridade para supervisionar a distribuição da ajuda. "

  Na conclusão de seu discurso, o Sr. Ahmed Lakhrif  acrescentou que o povo marroquino luta para o estabelecimento de um estado estável, de democracia e do respeito pelos direitos humanos, bem como criar um clima de políticas de regionalização avançadas em prol do desenvolvimento sustentável que permite a todas as pessoas marroquinas e todas as regiões do Reino participar e beneficiar dos resultados, salientando que ele não é uma coincidência que o povo do saara esteja o primeiro a nível nacional a participar e suas percentagens de voto nas eleições estejam altas e em todos os processos eleitorais lembrando o público de Marrocos, que está envolvido na campanha eleitoral, que o voto da sexta-feira, para as eleições legislativas do dia 7 de Outubro, convencido de que os cidadãos e os cidadãos das regiões do sul serão mais uma vez no topo dos resultados das percentagens de votos .

  Sr Lakhrif dirigiu ao público um comunicado e através deles a comunidade internacional, para apoiar a iniciativa marroquina representada pelo plano de autonomia para as províncias do sul sob soberania marroquina, considerada realista e uma solução eficaz capaz de garantir os direitos à população sarauí, notadamente o direito da gestão de seus assuntos regionais  e do direito a uma vida decente, seja a solução que permitirá a cada um que sofre nos campos de Tindouf  voltar para sua casa e defender junto o desenvolvimento democrático do modelo marroquino e apreciar as realizações dos projectos económicos e sociais e das principais obras de construção lançadas nos territórios do Sara marroquino.

 - Notícias sobre o Saara Ocidental / Corcas

 

 Este site não será responsável pelo funcionamento e conteúdo de links externos !
  Copyright © CORCAS 2024