الـعـربية Español Français English Deutsch Русский Português Italiano
segunda-feira, 1 de junho de 2020
 
 
 
Discursos Reais

A questão do Saara marroquino não é objeto de debate, e permanece na vanguarda das prioridades.

29 julho de 2017, Sua Majestade o Rei Mohammed VI, que Deus o assiste, dirigiu-se pela ocasião do décimo oitavo aniversário da entronização ao trono de seus antepassados




O que  estamos realizando hoje, em todas as regiões de Marrocos, é uma nova marcha. A marcha do desenvolvimento humano e social, da igualdade e da justiça social que une todos os marroquinos, uma vez que não podemos marchar em prol de uma região sem a outra.

Por ocasião do 18º aniversário de soluções para a entronização da Sua Majestade o Rei Mohammed VI no trono de seus antepassados,  o Rei dirigiu, no sábado, 29 de julho, 2017, um discurso sublime em que ele afirmou que a questão do Sara marroquino não pode ser debatida, e permanece na vanguarda das prioridades.

O discurso referiu a questão do desenvolvimento humano e social, da igualdade e da justiça social em todas as regiões de Marrocos, sublinhando que os "projetos de desenvolvimento,
das reformas políticas e institucionais,  que estão sendo realizadas, cujo objetivo único é o serviço do cidadão, onde ele esteja. Não há diferença entre o Norte e o Sul, oeste e  leste, nem entre os habitantes de cidades e das aldeias "sublinhando que a questão do Sara marroquino" não é objeto de debate, e permanece na vanguarda das prioridades ".


Eis a seguir o discurso integral
.

"Louvado seja Deus, que a paz e as bênçãos estejam sobre o Mensageiro de Deus e sua família e seu companheiros.

Caro povo,

O décimo oitavo aniversário da festa do trono glorioso, celebra-se no contexto cheio de aquisições, realizações e desafios, sendo uma oportunidade anual, para renovar os laços mútuos que nos unem, contemplando juntos ás condições da nação.

Os projetos de desenvolvimentos estruturais, políticos e institucionais, os quais se envolvem, têm um objetivo, servir o cidadão, onde ele esteja. Não há diferença entre o Norte e o Sul, nem entre o leste e oeste, nem ainda entre as cidades e as aldeias.

É verdade que as possibilidades das quais disponha Marrocos são limitadas. Verdade que muitas regiões precisam de mais serviços sociais básicos.

No entanto, Marrocos, graças a Deus, evolui constantemente. Este desenvolvimento, claro e concreto, é reconhecido por todos, em vários domínios. Mesmo se vivemos hoje, em paradoxos expressivos, difícil de entender ou aceitar. O Marrocos goza de credibilidade, continentalmente e internacionalmente, reconhecidamente pelos parceiros, e pelos grandes investidores, como "Boeing" e "Renault" e "Peugeot", e na medida em que se chocamos pelo balaço e a realidade, e com toda humildade as realizações em algumas áreas sociais, deixam a pensar que se tornou vergonhoso dizer que se localizam em Marrocos hoje.

Se obtivemos sucesso em muitos planos sectoriais, como a agricultura, a indústria e as energias renováveis, o programa do desenvolvimento humano e da educação, com um impacto direto na melhoria das condições de vida dos cidadãos, não nos agrada, permanecendo sem ambição.]

Isso decorre, basicamente em muitos campos, da fraqueza do trabalho em conjunto, da falta de dimensão nacional e estratégica, da desarmonia ao invés de harmonia e competitividade, da desvalorização e procrastinação, em vez da iniciativa e da ação concreta.

Estas anomalias acentuam-se entre o setor privado, caracterizado pelo sucesso e competitividade, graças ao modelo de gestão, baseado nos mecanismos de acompanhamento, monitoramento e motivação, entre o setor público, notadamente a administração pública que sofre de má governação e da falta de rentabilidade.

O setor privado atrai os melhores quadros formados em nosso país, os quais hoje contribuem para as maiores empresas internacionais em Marrocos, bem como para as pequenas e médias empresas nacionais.

Enquanto para os funcionários públicos, muitos deles, não têm eficiência suficiente, nem a ambição necessária, e nem sempre motivados pelo espírito de responsabilidade.

De fato, alguns deles passam apenas algumas horas, dentro do local de trabalho, agindo simplesmente para garantir um salário mensal, mínimo, ao invés de esforçar e trabalhar em prol do desenvolvimento social.

Entre os problemas que impedem o desenvolvimento de Marrocos, é a fraqueza da administração pública, tanto em termos de governação, ou do nível da eficiência e da qualidade dos serviços prestados aos cidadãos.

Por exemplo, os centros regionais de investimento constituem a exceção de um centro ou dois, um problema e um obstáculo diante do processo de investimento, podendo servir como um mecanismo para estimular e resolver os problemas dos investidores, a nível regional, sem a necessidade de apelar a administração central.

O que se reflete negativamente para as regiões que sofrem da falta de investimento privado, e às vezes da sua ausência, ou pela baixa rentabilidade do setor público, o que afeta as condições de vida dos cidadãos.

As Regiões que sofrem da falta da maioria das unidades de saúde, dos serviços educacionais, culturais e de oportunidades de emprego, constituem a maior dificuldade, necessitando de mais esforços concertados para cobrir os prejuízos e os atrasos, em prol do desenvolvimento.

Por outro lado, as regiões que conhecem a intensa atividade do setor privado, como Casablanca, Rabat, Marrakech e Tânger, conhecem a forte mobilidade econômica, produzindo a riqueza e as oportunidades de emprego.

Para pôr fim a este problema, o governador, o prefeito, o diretor, o funcionário comunal entre outros, são obrigados a trabalhar, como os quadros do setor privado ou ainda mais, e com o espírito de responsabilidade e de forma supervisionada pela administração, para dar resultados tangíveis, porque eles são delgados pelos interesses do povo.

Nossa escolha pelo desenvolvimento permanece efetiva. No entanto, o problema continua ainda na mentalidade que não mudou, e na capacidade de execução e da criatividade.
A evolução política e o desenvolvimento, que conhece o Marrocos, não se reflete positivamente no tratamento dos partidos políticos, dos responsáveis e administradores, diante das aspirações reais e das preocupações dos marroquinos.

Quando os resultados são positivos, os partidos, a classe política e os responsáveis, em primeiro plano, concorrem no sentido de benefício político e da promoção para efeito de ganhos.

Mas quando as coisas não estão indo como deveriam, escondem atrás do Palácio Real, e atribuem todas as coisas para ele.

O que torna os cidadãos a queixar-se junto ao rei do país, contra a administração e os responsáveis que atrasam a responder às suas exigências, e tratar de suas questões, e buscando para ele intervir para resolver seus problemas.

Enquanto que a lei exige que os cidadãos recebam respostas convincentes, e em prazos razoáveis, as suas questões e queixas, recebendo as justificativas e as razões das decisões, mesmo se for rejeitado, o que não deve ser sem suporte legal, porque é contrário à lei. O cidadão deve respeitar as prerrogativas em vigor. Perante esta situação, o cidadão tem direito de perguntar: Qual é o objetivo da existência das instituições e a realização das eleições e a nomeação de ministros, governadores, embaixadores, consuls se eles estão em um rio, e o povo e suas preocupações em outro rio? A prática de alguns responsáveis e eleitos, leva um número de cidadãos, notadamente os jovens, a abandonar e não envolver na ação política e a participação nas eleições. Porque eles simplesmente não confiam na classe política, porque alguns dos atores corromperam a política, e desviaram da sua essência e pureza.

Se o rei de Marrocos não está convencido da maneira como eles praticavam a política, e não confia em alguns políticos, o que resta então para o povo?

Para todos esses eu digo: "Basta, respeitam por Deus sua pátria ... seja vocês executem seus trabalhos inteiramente, ou desistir. Marrocos tem suas mulheres e seus homens honestos. Porque esta situação não pode continuar, o fato envolve os interesses da pátria e dos cidadãos. Eu peso minhas palavras, e eu sei o que digo ... E isso decorre de uma profunda reflexão.

Caro Povo,

A responsabilidade e a honra em prol do cidadão, parte da simples resposta a seus pedidos, para a realização dos projetos, pequenos sejam, médios ou grandes. Como eu sempre digo, não há diferença entre projetos pequenos e grandes, mas sim há projetos concebidos para satisfazer as necessidades dos cidadãos. Tanto quanto o projeto esteja no bairro, aldeia ou numa cidade ou qualquer região, ou até do interesse de todo o país, ele visa o mesmo objetivo, o serviço de cidadão. Para mim, cavar um poço, por exemplo, construir uma barragem, eles tém a mesma importância para a população.

Qual é o significado da responsabilidade, se falta para o responsável uma de suas condições, que é atender as preocupações dos cidadãos?

Eu não entendo como pode algum responsável, não executar o seu dever, saindo de sua casa e pega o seu carro, Parando no sinal vermelho, e olha para as pessoas, sem vergonha ou timidez, e ele sabe que elas pensam que ele é sem consciência. Será que estes responsáveis não têm vergonha de si mesmos, apesar que eles prestaram um juramento diante de Deus, a pátria e ao rei, e não respeitam o seu dever? Será que não deve ter a prestação de contas ou a demissão de qualquer responsável, se for provado que ele deixou de fazer o seu trabalho ou desenvolvê-lo como deve?

Aqui insisto sobre a necessidade da aplicação rigorosa dos requisitos do segundo parágrafo do primeiro capítulo da Constituição, que liga a responsabilidade com a prestação de contas.
O tempo veio para a execução completa deste princípio. Como se aplica a lei para todos os marroquinos, deve primeiro ser aplicado diante de todos os responsáveis sem exceção ou discriminação, e em todas as regiões do Reino.

Assim estas ações e disfunções são elas que promovem a ideia fixa entre os marroquinos em geral, que a concorrência pelas funções leva a economia do arrendamento, a exploração de poder e a influência. Tendo em vista exemplos vivos na realidade, as pessoas pagam, infelizmente, ao acreditar na versão desta tese. No entanto, isto não se aplica, e, graças á Deus, a todos os administradores e políticos, existem aqueles que são honestos e sinceros que sacrificam em prol do amor da sua terra natal, conhecidos, íntegros e imparciais, comprometidos pelo serviço público.

Caro Povo,

Os acontecimentos que conheceram algumas regiões, infelizmente, revelaram a falta de um sentido sem precedentes de responsabilidade. Ao invés de que cada parte faz o seu dever nacional e profissional, cuja cooperação e os esforços concertados se prevalecem para resolver os problemas do povo, sem que a situação gera entre os diversos atores, prejudicando a responsabilidade, objeto de políticas e cálculos estreitos, e do sentimento antinacional, o que prejudica os interesses dos cidadãos.

Alguns partidos acreditam que seu trabalho se limita apenas a realização de conferências, e a reunião de seus centros políticos e dos comitês executivos, ou ainda durante as campanhas eleitorais. Mas quando se trata de comunicar com os cidadãos e resolver os seus problemas, não tem papel nem existência. Isso é algo inaceitável, Uma de suas prerrogativas são a representação dos cidadãos, influenciar e servir os seus interesses.

Nunca pensou que o conflito partidário chega assim, e a nível da liquidação de contas, em detrimento dos interesses dos cidadãos. Sendo que a gestão dos assuntos públicos, deve ficar longe dos interesses pessoais e partidárias, e dos discursos populistas, e do uso de alguns termos estranhos, que prejudica a ação política.

No entanto, temos percebido a preferência da maioria dos atores, pela lógica do lucro e da perda, visando a preservar o seu percurso político ou fortalecer seu equilíbrio em detrimento do país, e do agravamento da situação.

O declínio dos partidos políticos e seus representantes, para fazer o seu dever, deliberadamente e premeditado e, por vezes, por causa da falta de credibilidade e sentimento nacional às vezes isso agrava a situação. Mas este vácuo lamentável e perigoso, as forças públicas encontraram-se face a face com o povo, assumindo a responsabilidade com toda coragem e paciência, cumprindo a lei em prol da segurança e da estabilidade. E aqui eu me refiro Al Hoceima, apesar do que ocorreu pode ser aplicado a qualquer outra região. ..Assim, ao contrário do que alega alguns passar ao que se chama da defesa proativa de segurança, o que leva o Marrocos a estar sobre o vulcão, e que cada casa e cada cidadão tem um policial que o vigia. Mas sim tem quem disse que tem um movimento radical, outro moderado, divergem-se sobre como lidar com estes acontecimentos. Isto, absolutamente, não é verdade.

Na verdade, existe uma tendência única, e um compromisso constante, que é a aplicação da lei, e o respeito das instituições, e garantir a segurança dos cidadãos e a manutenção de seus bens. Os Marroquinos sabem que os donos desta tese a utilizam como forma de explorar e suas palavras e não têm nenhuma credibilidade. A segurança é responsável pela condução do país, e controla os ministros e os funcionários, e ele também, que determina o preço, etc ...

Enquanto os homens de segurança apresentaram sacrifícios significativos, trabalham dia e noite, em circunstâncias difíceis, a fim de realizar o seu dever de proteger a segurança e a estabilidade da nação, tanto internamente como externamente, e garantindo o conforto, a tranquilidade dos cidadãos e suas seguranças.

Os marroquinos têm o direito, o dever de se orgulhar de sua própria segurança, e aqui eu digo sem hesitação, complexidade ou inferioridade: Se alguns niilistas não querem admitir isso, ou se recusam a dizer a verdade, este problema envolve somente eles.

Caro Povo,

O modelo institucional marroquino desenvolveu sistemas políticos. No entanto, continua sendo em grande parte uma letra morta, o problema é na execução de fato. Preocupado no sentido que todas as instituições possam respeitar as prerrogativas destas instituições e a separação de poderes. Mas se os responsáveis deixam de respeitar seu deves, da sua pátria e dos cidadãos vulneráveis, os meus deveres constitucionais obrigam-me a garantir a segurança e a estabilidade do país, e salvaguardar os interesses de pessoas, seus direitos e liberdades.

Ao mesmo tempo, não devemos aceitar qualquer retrocesso das aquisições democráticas. Não aceitarmos qualquer obstrução ao trabalho das instituições. A Constituição e a lei são claras, e as especificações não precisam de interpretação. E para cada responsável tem a responsabilidade de exercer seus poderes sem esperar a permissão de nenhum. Em vez de justificar sua incapacidade alegando "não me deixam fazer o meu trabalho", é preferível ele apresentar a sua demissão, que nenhum pode impedi-lo. O Marrocos deve ficar acima de tudo, dos partidos, das eleições e dos cargos administrativos.

Caro Povo,

Tenho orgulho de servi-lo até o último suspiro, porque me eduquei pelo amor da pátria e aos serviço de seus filhos. E me comprometo junto a Deus, para continuar pelo trabalho sincero, responder segundo suas exigências, para alcançar suas aspirações. Permite-me expressar-lhe o sentimento sincero, e todos o que sinto e está no meu coração, depois de dezoito anos, assumindo a liderança. E eu não posso esconder nada que você conhece certamente. E de meu dever dizer a verdade, senão eu vou estar errado a seu respeito.

Vai anotar meu caro povo, eu não tratei da questão da nossa integridade territorial, nem da África, ou outras de questões de política externa. Naturalmente, a questão do Saara marroquino não tem discussão, continuando na vanguarda das prioridades. Mas o que nos preocupa hoje, em todas as regiões de Marrocos, é a sua nova marcha. A marcha do desenvolvimento humano e social, da igualdade e da justiça social, que preocupa todos os marroquinos, sendo que não podemos fazer uma marcha em uma região sem a outra.

Podemos colocar o melhor modelo de desenvolvimento o mais eficaz, bem como os melhores planos e estratégias. No entanto, sem mudar a mentalidade,

- Sem ter as melhores estruturas de gestão,

- Sem a escolha dos partidos políticos das melhores elites, qualificadas para gerir os assuntos públicos,
- Na ausência do espírito de responsabilidade, de compromisso nacional, não vamos alcançar o que desejamos para todos os marroquinos, para viver livre e digno.

.

Eu não quero, Caro povo, que você acredita depois de ouvir este discurso que eu sou pessimista,
Nunca ... você sabe que eu sou realista, e digo a verdade, mesmo se ela é difícil. O pessimismo é a falta de vontade, e a falta de perspectivas e da verdadeira percepção da realidade.
Mas, graças a Deus, temos a forte vontade e honesta, bem como uma visão clara e de longo alcance. Nós sabemos quem somos e onde nós caminhamos. Marrocos, graças a Deus, foi capaz através da sua antiga história superar várias dificuldades, pela forte coesão entre o trono e o povo. Estamos hoje, juntos para travessar fases avançando nos diferentes domínios, olhando com confiança e determinação, para realizar ainda mais conquistas e aquisições.

Diz Deux: "Deus chama para que se preserve o que foi confiando para seus donos, e se você dirige as pessoas que governa com justiça." Deus diz a verdade.

Que a paz, a misericórdia e as bênçãos de Deus estejam sobre você ".

Wassalam Oua laikum w Rahamatu Laah wa Barakatuh

Noticias sobre o saara ocidental- Corcas

 

 Este site não será responsável pelo funcionamento e conteúdo de links externos !
  Copyright © CORCAS 2020