الـعـربية Español Français English Deutsch Русский Português Italiano
segunda-feira, 1 de junho de 2020
 
 
 
Discursos Reais

A reforma da UA constitui um importante obra na qual Marrocos se investe junto aos países irmãos e da família institucional e deve evoluir para uma maior eficiência.

A África não precisa de slogans ideológicos, mais de ação concreta e definida nas áreas de paz, de segurança e de desenvolvimento humano. Sua Majestade o Rei Mohammed VI dirigiu um discurso pela 29 Cúpula de Chefes de Estado e de Governo da União Africana (UA), aberto nesta segunda-feira em Addis Abeba.




Eis a seguir o texto integral do discurso real, pronunicado pelo príncipe Moulay Rachid representando o Soberano nestes eventos do Pan-Africano.

"Louvado seja Deus, que a Paz e bençao esteja sobre o Profeta, seus amigos e companheiros.


Sr. Presidente Alpha Condé, presidente da União Africana,

Prezados irmãos e irmãs,  Chefes de Estado e de Governo,

Sr. Presidente Moussa Faki Mahamat, Presidente da Comissão da UA,

Excelências, Senhores Ministros, Senhoras e Senhores,

O Reino de Marrocos participa na sua primeira cúpula como membro da União Africana desde o seu retorno à sua família institucional janeiro passado. Ele fortalece assim as suas ações no continente e consolida os seus laços multidimensionais com país Africanos irmãos.

Na sequência da decisão Histórica de  Addis Ababa, Marrocos perossegue no processo de acesso aos instrumentos legais, a fim de participar plenamente ás actividades da organização e contribuir para a agenda de todos os órgãos.

Como prometido, Marrocos tem participado em todas as reuniões, de acordo com o espírito construtivo, anunciado no discurso, em Adis Abeba, "Nós não queremos se dividir, como alguns pretendem insinuar.

Desde que o Reino  voltou a UA de forma eficaz, e que ele contribuirá para a agenda das atividades, da sua acção concorrente, ao contrário, fedelizar e ir em frente. "

Esta cimeira nos dá a oportunidade para sublinhar  o compromisso ao mesmo tempo, sincero, responsável e firme de nossos países ao serviço de causas e de interesses do continente Africano.

A ação do Presidente Alpha Condé na cabeça da nossa organização desperta nossa admiração. De fato, graças a sua liderança e sua visão, ele liderou os notáveis trabalhos com racionalização da nossa organização. Ele adaptou a nossa agenda para repartir ainda mais de forma justa o prosseguimento dos assuntos prioritários, dando, assim, uma grande visibilidade à acção da organização.

Meus agradecimentos vão para a Sua Excelência o Sr. Moussa Faki Mahamat, Presidente da Comissão da UA, pelos seus esforços incansáveis em prol da promoção de uma nova dinâmica ao trabalho da Comissão, e pelo o ritmo das reformas da nossa organização.

Excelências, senhoras e Senhores


Nós sempre fomos convencidos que a África pode transformar desafios em potencial de desenvolvimento real e de estabilidade. O seu crescimento demográfico, suas instituições,  a migração e a juventude constituem oportunidades que no exige á responsabilidade coletiva de se envolver.

O Marrocos quer contribuir para o surgimento de uma nova África: uma África forte, ousada que apóia a defesa de seus interesses, uma África influente no concerto das Nações.

Para definir essa nova África, deve estar livre de toda ilusão, rejeitar quimeras. Poraue a nova Africa que chamamos com Nossos votos deveria, antes, se apoiar sobre o concreto e ser pragmático, capaz de ser uma  África concorrente e solidária.

África está no meio da encruzilhada caminhos  e deve escolher o bom caminho para a suma emergéncia. Neste momento, os desafios que enfrenta o nosso Continente proliferam, multiplicação de atores não-estatais dando lugar a muitas áreas cinzentas, ameaças de terrorismo transnacional, violéncia e  extremismo, além dos impactos do aquecimento ambiental.

Face ás novas ameaças que ameaçam o nosso continente, é necessário que a UA começa a sua reforma, a fim de dar respostas adequadas e apropriadas.

Para fazer isso, é, em nosso sentido, é fundamental que os estados africanos estabelecem os objectivos realistas e pragmáticos baseados nas prioridades reais  do continente. A  Áfrican não precisa de slogans ideológicos, ele precisa de uma ação concreta e decisiva nas áreas de paz, de segurança e do desenvolvimento humano.

O Marrocos tem fé na capacidade da África para renovar e aumentar a sua própria dinâmica. Os limites da cooperação tradicional Norte-Sul para enfrentar o desafio da emergência é evidente, a África deve fazer um maior uso da cooperação inter-Africana, bem como da solidariedade parcerias estratégicas entre os países irmãos.

Excelências, Senhoras e Senhores,

A UA deve agora ser um instrumento em sintonia com os desafios do nosso continente. Mais do que nunca, ele deve estar em sintonia com os desafios do momento. A emergéncia da África através de uma revisão de suas instituições continentais, base que irá atender plenamente e com urgência os desafios que enfrenta.

A este respeito, Saudamos a liderança do Presidente Paul Kagamé sobre esta importante questão por nosso continente Africano; Nós parabenizá-lo pelo seu relatório, ao memso tempo grandes e denso, que contém recomendações fundamentais para o estabelecimento de soluções e "preservar o futuro da União Africana."

"O imperativo de fortalecer a nossa União" decorre de um diagnóstico construtivo do estado da UA e propondo recomendações realistas e pragmáticas. Este imperativo é nossa obrigação. Mais do que nunca, é necessário uma visão transformadora da União Africana.

A reforma da União Africano constitui um importante obra que Marrocos vai investir ao lado de seus países irmãos.

A nossa família institucional deve evoluir para uma maior eficiência e uma racionalização da organização pan-Africana, a fim de estar em linha com as expectativas do povo africano.

A implementação desta reforma não é um luxo, mas uma necessidade absoluta, dadas as estacas e os principais desafios que o nosso continente enfrenta.

Excelências,

O continente da África não precisa de slogans ideológicos, ele precisa de uma ação concreta e decisiva nas áreas de paz, de segurança e do desenvolvimento humano.

Marrocos tem fé na capacidade da África para renovar e aumentar a sua própria dinâmica. Os limites da cooperação tradicional Norte-Sul para enfrentar o desafio da emergência é evidente, a África deve fazer um maior uso da cooperação inter-Africano e solidariedade e parcerias estratégicas entre países irmãos.

Excelências, Senhoras e Senhores,

A UA deve agora ser um instrumento em sintonia com os desafios do nosso continente. Mais do que nunca, ele deve estar em sintonia com os desafios do momento. O surgimento de África através de uma revisão de suas instituições continentais, revisão que irá atender plenamente e com urgência os desafios que enfrenta.

A este respeito, Saudamos a liderança do presidente Paul Kagamé sobre esta importante questão em prol do nosso continente Africano; Nós parabenizá-lo pelo seu relatório, tanto grandes e denso, que contém recomendações fundamentais para o estabelecimento de soluções que "garantem o futuro da União Africana."

"O imperativo de fortalecer a nossa União" livre de um diagnóstico preventivo do estado da UA e propondo as recomendações realistas e pragmáticas. Este imperativo é nossa obrigação. Mais de que nunca, é necessário uma visão transformadora da União Africana.

A reforma da União Africana constitui  um importante obra que Marrocos vai investir ao lado de seus países irmãos.

A nossa família institucional deve evoluir para uma maior eficiência e  uma racionalização da organização pan-Africana, a fim de estar em linha com as expectativas do povo africano.

A implementação desta reforma não é um luxo, mas uma necessidade absoluta, dadas as estacas e os principais desafios que o nosso continente enfrenta.

Excelências, Senhoras e Senhores,

Uma política pró-ativa voltada para a juventude irá canalizar a energia para o desenvolvimento. O futuro da África depende da sua juventude. Hoje cerca de 600 milhões de africanos e africanas são jovens. Em 2050, 400 milhões de africanos terão entre 15 e 24 anos.

Este crescimento destaca a urgência de orientar o dividendo demográfico para a emergéncia do continente. Uma oportunidade inesperada se oferece para a África para beneficiar de uma força de trabalho jovem, educada e abandonada para alimentar seu crescimento econômico.

A cada ano mais de 11 milhões de jovens africanos ingressam no mercado de trabalho, enquanto apenas 3 milhões de empregos são criados. Mais de 70% dos jovens africanos vivem com menos de US $ 2 por dia.

Como obrar para reduzir o desemprego, que atingiu a juventude do continente, com 60% das pessoas desempregadas no continente que são jovens?

A resposta reside em nosso trato ...principalmente contar sobre as próprias capacidades.

Isso se deve a nosso povo, a nossa juventude. A promessa para um futuro melhor e para um futuro mais brilhante não deve mais ser um slogan nem ao mesmo tempo um pensamento menos positivo.

Somos obrigados a juntar-se a ação da palavra em prol das nossas futuras gerações e da Nova África.

Obrigado. ''

-Notícias sobre a questão do Saara Ocidental / Corca

 

 Este site não será responsável pelo funcionamento e conteúdo de links externos !
  Copyright © CORCAS 2020