الـعـربية Español Français English Deutsch Русский Português Italiano
quinta-feira, 20 de janeiro de 2022
 
 
 
Discursos Reais

Envolvimento de Marrocos no processo de negociações sobre o Saara, não quer dizer não estar determinado, diante de qualquer tentativa contra que pode prejudicar os  interesses e fundamentos, base deste processo de negociações.

 


A  Sua Majestade o Rei Mohammed VI, que Deus o proteja, dirigiu, esta segunda-feira, um discurso altivo à nação por ocasião do 13 º aniversário de Sua Majestade pela festa do trono comemorada conforme seus antepassados.

Eis a seguir o texto integral do discurso real:

"Louvado seja  Deus, que a paz e a benção estejam com o nosso mestre e Mensageiro de Deus, família e seus adeptos.

Caro povo,

 Comemoramos hoje trigísimo aniversário da festa do trono, considerada como uma ocasião  renovável que traduz esta  relação que une o trono em termos de  laços de lealdade e fidelidade permanentes e ainda mais confiáveis,  traduzindo a coesão profunda.

 É também uma ocasião propícia para confirmar as opções básicas para o nosso país o que é consagrado na nova Constituição do reino, a qual uniu a não considerada como a carta notável do país, propiciando e abrindo  para o povo - súditos leais – em termos de perspectivas de participação efetiva. É por isso que todos nós temos a responsabilidade de trabalhar junto para consolidar o nosso modelo de excelência a favor de um Estado moderno marroquino, fundando sobre  valores da unidade e do progresso, equidade e solidariedade social, em cumprimento com a autentica identidade.

 O nosso país entrou numa nova fase, não como uma mera coincidência, nem como obra de circonstâncias emergentes, mas é como resultado de uma política deliberada e estratégia de soluções escaláveis, assumida desde a nossa intronização, com vontade e dignidade íntegra, em resposta completa com as legítimas aspirações. Tendo no centro das nossas preocupações fixar a coesão da sociedade marroquina e a conciliação do povo  marroquino com ele mesmos e sua história,  isso é através do trabalho da Justiça e Reconciliação, bem como o reconhecimento de  Alamazighia, como um componente da identidade e comum a todos os marroquinos, além da expansão do espaço das liberdades e dos direitos humanos, obrando por um vasto espaço a favor da mulher, num âmbito do Código da Família, que a preserva a sua dignidade e garante justiça para a sua participar na vida pública.

 Bem como levamos a cabo algumas profundas reformas econômicas, fortalecendo a infra-estrutura das cidades de Marrocos e acabar com o isolamento e o desmantelamento de áreas rurais, fornecendo o equipamento necessário que proporciona  um melhor ambiente e adequado para estimular o investimento, bem como adoptar uma abordagem política da reabilitação social.

Neste contexto, temos fortalecido oficinas de lançamento sociais e de desenvolvimento da Iniciativa Nacional para o Desenvolvimento Humano desde 2005, de acordo com uma visão global de luta contra a exclusão e a marginalização e pobreza.

 Como príncipe dos crentes, temos vindo a trabalhar, sob a promessa de fidelidade, assumindo a sua  elevada garantia, para que o Reino de Marrocos possa  continuar a ser um modelo de compromisso com o Islã, sunita, razoável e tolerante, sem  espaço para qualquer intolerância, extremismo e fanatismo ou fechamento.

 Bem como eleva o Conselho Científico a posição de uma instituição constitucional, encarregada de tarefas e atribuições opinar e  assessoriamento e consultoria para  Nossa Majestade no que diz respeito aos assuntos religiosos.

 E com o envolvimento sério nessas reformas, consegui-se abrir ateliê de revisão constitucional, de acordo com uma abordagem participativa. No entanto, o lançamento deste ambicioso projeto não era um fim em si mesmo, mas é uma forma para conslidar  o estado de direito e suas instituições, em prol de um desenvolvimento abrangente. Isso é possível se qualquer um assuma o seu compromisso e responsabilidade, Governo e representantes da nação, eleitores locais, partidos políticos, sindicatos, agentes económicos e sociedade civil, respeitando a Carta aprovada por unanimidade pela nação, considerada como  a nova Constituição.

 A este respeito, continuou - Meu caro povo – conforme o que espera do servidor da nação em termos de preocupações com  interesse dos cidadãos, ansiosos para tomar conta e de suas condições de vida, atento a responder a  suas perspectivas em relação a todas as categorias. No mesmo sentido, ficamos prontos a ouvir as preocupações e  sentimentos de nossa comunidade residente no exterior, prestando uma especial atenção para todos seus membros, elogiando a forte apego e fiel aos seus país e sua identidade. E o seu papel engajado no desenvolvimento e na construção de seu país de origem. No âmbito destes condições difícieis que traversam alguns países de residência, não podemos deixar de manifestar o nosso apoio e solidariedade para com os afetados.

Caro Povo,

Quando a nossa escolha na realidade exigindo  determinar as prioridades e classificadas,  em conformidade com  abordagens definidas, etapas e tempos, tem feito disso um roteiro para ativar aquilo que nós pretendemos em termos de reformas. Partindo do fato que o Estado de Direito é a fonte de todo progresso,  colocando a justiça - na vanguarda da reforma. Sendo que a nova Constituição coloca a independência do poder judicial no coração do seu sistema, onde as condições se tornaram disponíveis para o sucesso deste grande projeto, ansiosos para que a alta entidade da reforma da justiça trabalhe de acordo com uma abordagem participativa é aberta, concretizando as recomendações o mais rápido possível.

A regionalização avançada, lançada e consagrada pela nova Constituição, constitui  um grande empreendimento a ser gerido com plena deliberação e observação para ser ativado capaz de causar uma mudança fundamental e gradual, na organização das estruturas do Estado, na relações com os centros nas adminstrações territoriais. E para ganhar apostas nesse caminho, deve abrir caminho para a renovação de elites, ampliando a participação e intensa das mulheres e jovens, abrindo novos horizontes para os cidadãos e qualificados, com espírito de responsabilidade e integridade. Chamando  também o governo para iniciar a reforma da administração pública,  permitindo cumprir os requisitos desta nova visão territorial. O que levanta a questão da desconcentração, pelo qual chamarmos desde mais de dez anos. Neste sentido, o governo é chamada para adoptar a Carta da decentralização , permitindo o gerenciamento da reafectação de suas instalações, ajudando a responder às necessidades dos interesses  desta decentralização, levando o governo a assumir a sua verdadeira responsabilidade em termos de participação e de boa conduta.

 E em paralelo com os grandes empreendimentos de reformas necessárias, para ativar a nova organização territorial, no âmbito da boa governação, que coloca o desenvolvimento humano no centro das atenções. Não é maneira de enfrentar os desafios face ao governo para alcançar o desenvolvimento humano, sem uma  realização de um desenvolvimento humano de forma justa e eqüitativa, capaz de resolver o déficit no setor rural, bem como as deficiências que dificulta o crescimento das áreas urbanas.

 Se a justiça, a regionalização e a governânça territorial, no topo das preioridades, isso  deve ser, além disso, com que se presta uma atenção especial porque envolve a ativação das instituições previstas na nova Constituição, com relação com a boa governânça, a luta contra a corrupção, o desenvolvimento econômico e social, em geral.

Caro povo,

 A recessão econômica vivida pelo mundo desde 2008, resultado das mudanças em nível das relações internacionais, no contexto da globalização, bem como das mudanças sociais e políticas que conhece no âmbito regional, nos impele a continuar ás reformas, reforçando a nossa convicção no sentido das opções sócio - económicas, suportadas por tanto tempo. Permitindo ainda lançar um canteiro de obras importantes, capazes de suportar a infra-estrutura e equipamentos essenciais e exigidos pelo nosso país, num  contexto das estratégias sectoriais, elaboradas de acordo com as normas eficazes, para atingir os objectivos preconizados.

 Neste sentido, nossos esforços concentraram-se sobre o avanço de vários setores industriais e de novas tecnologias, através da criação de pólos e espaços econômicos integrados, capazes de ampliar o horizonte de investimento e melhorar a competitividade de nossas empresas.

 Considerando a importância do sector agrícolo, precisa redobrar o esforço a favor do projeto “Marrocos Verde “, considerado essencial para o desenvolvimento agrícolo. O que exige a intensificação de suas atividades, a fim de expandir e diversificar o produto de Marrocos, aumentando a lucratividade e  fortalecendo  a capacidade dos pequenos agricultores, nos programas-quadro de solidariedade, contribuindo para a melhoria das condições de vida do povo das áreas rurais, especialmente nas condições climáticas duras que conheceu Marrocos durante o ano passado.

 Então, nós renovamos o nosso apelo ao Governo para fornecer as condições de integração entre as diferentes estratégias sectoriais, bem como a adopção de mecanismos de monitoramento, de vigilância e de avaliação, ajudando a assegurar a coerência entre eles, com  eficácia e boa alocações dos recursos dirigidos para este fim, obrando assim com diligência para encontrar alternativas de financiamento,  dando um forte impulso as diversas estratégias.

 Neste contexto, destacamos a necessidade de desenvolver mecanismos contratuais de parceria entre os setores público e privado.
Nossa meta é atingir melhor utilização dos investimentos disponíveis.

 Reconhecendo a importância desta parceria, adotamos uma abordagem inovadora, através da criação da entidade marroquina para o investimento, envolvendo os fundos de investimento nacionais e sectoriais. Esse órgão, que prevê a promoção de investimentos em vários campos, visa  estimular parcerias com instituições internacionais. Tal objetivo é permitir ao nosso país consagrar oportunidades financeiras dos fundos soberanos estrangeiros, especialmente fundos dos estados de Golfo reconhecidos pelas suas contribuições efetivas e eficazes no apoio aos projetos de desenvolvimento de nosso país.

 A este respeito, deve recordar-se que o sector do turismo é um fator forte na promoção do emprego, no desenvolvimento da riqueza nacional como  base das qualificações e da variedade de recursos naturais e especificidades de civilização e herança rica.

Adotamos desde 2001, uma estratégia global, a sua força programas específicos, contribuiu para o desenvolvimento deste setor e o seu crescimento. É por isso que estamos trabalhando para reforçar o alcance da Visão 2020, suportada pelo fundo " Wissal" de investimento turístico, tendo a principal base o desenvolvimento sustentável. O que torna marrocos um destino turístico distinto  no espaço mediterrânico.

Caro povo,

Estamos ansiosos para tornar o elemento humano, especialmente o nosso jovem  promissor, no centro de todas as iniciativas de desenvolvimento e seu propósito essencial. E isso pelo qual esforçamos a refletir em vários projetos e programas da Iniciativa Nacional para o Desenvolvimento Humano.

 Em termos do que foi e realizado pela iniciativa, como resultados positivos no avanço para com as categorias necessitadas, decidimos reforçar as suas actividades, especialmente á geração de renda, e ampliar os campos lançando o quinto programa de qualificação visando preencher  a falta nas áreas onde existe escassez ou mais vulneráveis,  sem equipamento básico e necessário, chamando o governo a criar as condições para activar esta o programa.

 Em outro lado, a nossa forte preocupação é em realizar a justiça para os mais desfavorecidos, ativando o sistema de assistência médica (Ramed), em prol do seu próprio benefício. Este sistema, fruto de uma preparação a longo prazo, no qual Marrocos se envolveu há dez anos, a fim de ajudar as categorias e grupos desfavorecidos.

 O que exige do governo redobrar seus esforços em prol do sucesso deste sistema, visando as categorias em questão, garantindo  os serviços especificados e de forma apropriada.

 Para que este sistema atenda o objetivo humanitário, deve cuidar de maneira a não ser explorado por quaisquer orientações políticas, capaz de distorcer o seu nobre caminho, causando um prejuízio que afeta essa área ou outros setores de áreas sociais.

Como exigimos ter um diálogo com as demandas sociais dos cidadãos, tendo o cuidado de atingir a boa governança da política orçamentária do nosso país, a fim de fortalecer o seu desenvolvimento, e manter sua credibilidade a nível internacional.

 Convencidos da necessidade de preservar o futuro das nossas gerações futuras, não deixamos de enfatizar a harmonia do desenvolvimento, assegurando simultaneamente a protecção do nosso ambiente e com respeito ao desenvolvimento sustentável do nosso país. Então, obramos a favor de todos os pacotes, para manter a nossa riqueza natural, bem gerida e investida, em prol do avanço da economia nacional.

Segundo esta abordagem, este programa ambicioso o qual foi lançado é para a produção de fontes de energia renováveis, eólica e solar, visando reduzir as nossas importações de energia tradicional, bem como a carga sobre a economia nacional.

Caro povo,

A Diplomacia marroquina permanecerá fiel com sólidas bases para lidar com o mundo exterior, tendo como a base a confiança em sim, o respeito da legitimidade internacional, e o compromisso com tudo o que promove a paz e a segurança internacionais, defendendo as causas justas e fortalecimento das relações de cooperação internacional em todos os campos.

 No que diz respeito a área do nosso ambiente  Magrebe direito, as grandes transformações que conhece a região constitui uma oportunidade histórica para passar a União do Magrebe, da inércia para  um desenvolvimento sustentável e integrado.

Nós já tinhamos chamados pelo surgimento de um sistema Magarebi novo,  capapz de superar a segregação existente na região, e fazer face a fraqueza das trocas, tendo em vista a construção de um espaço magribino forte e aberto.

 E para atingir esse objetivo estratégico, Marrocos continuará a reforçar os seus contatos no horizonte das relações bilaterais, com todos os parceiros do Magrebe, incluindo a irmã vizinha, Argélia. Em resposta às aspirações prementes e legítimas  dos povos da região, especialmente no que diz respeito à liberdade de circulação de pessoas, de bens, de capitais e de serviços.

Para este fim, o Reino confirma a sua para continuar a envolver com boa fé no processo de negociação, com vista a encontrar uma solução definitiva para o artificial disputa regional, sobre o Saara marroquino, com base na proposta marroquina de autonomia, conhecido por sua seriedade e credibilidade por parte da comunidade internacional, e isso é num âmbito da soberanidade e integridade territorial.

 A participação de Marrocos neste processo  não se equipara a não ser sua determinação para defender-se, com força contra qualquer tentativa de minar os interesses supremos, ou de uma violação das normas fundamentais de negociações.

 Neste horizonte de alcançe uma solução política duradoura no âmbito das Nações Unidas, e a partir da legitimidade histórica de Marrocos, e da sábia posição e legal, Marrocos está pronto para o desenvolvimento da regionalização avançada no Saara marroquino, continuando  os empreendimentos socio- econômicos nesta área favorável, e cara em nos corações para  todos os marroquinos em geral.

Em relação ao mundo árabe, a realidade política atual exige mais do que nunca desenvolver a ação árabe conjunta, no horizonte de responder às aspirações dos povos no âmbito da efetiva solidariedade, de mútuo compromisso, a favor da construção de um futuro melhor árabe, capaz de consolidar as condições frutuosas de cooperação e de compartilhamento de interesses superiores de nossos filhos.

Nesse sentido, saudamos as decisões que foram tomadas que refletem a parceria estratégica entre Marrocos e o Conselho de Cooperação do Golfo (GCC), confirmando nosso compromisso em aprofundar as  relações com países irmãos, reforçando-as todas as áreas.

 No entanto, em nenhum caso pode obscurecer-se as evoluções atuais, necessitando lidar com o núcleo da causa palestina internacionalmente, de forma eficaz e concreta. Tornou-se necessário rever a forma em que a comunidade internacional trata esta questão, sendo que o fim inevitável é a necessidade de um Estado palestino independente, soberano, viável, dentro das fronteiras de 1967, com sua capital em Jerusalém Oriental.

 Quanto a região do Sahel-Sahara, ela envolve  muitos riscos, constituindo uma ameaça para a unidade e a integridade territorial dos Estados, exigindo da comunidade internacional atribuir à atenção urgente e tomar medidas firmes.

 No que respeita aos países da Africa e sul do sara, o Reino de Marrocos continua envolvido em projetos promossores para cooperar com este países. Seu objetivo é apoio a estes programas locais de desenvolvimento humano em setores prioritários.

 Quanto ao continente europeu, a relação de Marrocos com a União Europeia entrou numa nova fase, considerando-a  um quadro de abordagem de referência  geo - política promissora, visando rever os fundamentos Euro-Mediterrâneos, base da construção da unidade de interesses e iniciativas conjuntas.

 É hora de dar um impulso e uma nova direção para a União pelo Mediterrâneo, tornando-se um verdadeiro catalisador e  locomotiva para alcançar a prosperidade comum, na rive do Mar Mediterrâneo.
No contexto da evolução das relações com todos os países da União Europeia, gostaríamos de elogiar profundos laços históricos, e as perspectivas amplas que unem Marrocos com a vizinha Espanha, apoiadad pelos laços fortes entre Sua Majestade o Rei Juan Carlos I, e das dinastias históricas de duas famílias nos dois países vizinhos.

 Neste momento difícil que atravessamos, reiteramos nosso compromisso de obrar de forma a permitir oportunidades e propiciar  novas condições econômicas e adequadas, a fim de criar uma riqueza comum, traduzindo a personificação da profundidade real e solidariedade entre os nossos dois países.

 Emitindo um prescritiva para o governo, visando ativar neste respeito em virtude do fato e da ação  dada atenção necessária e a rapidez na implementação.

 Além das relações com países vizinhos, o Reino continua a fortalecer e diversificar suas parcerias com o resto das áreas promissoras do mundo. E isso através da concentração no desenvolvimento humano, num contexto real de cooperação Sul - Sul, e com os nossos parceiros nos diferentes países em desenvolvimento.

 Marrocos vai continuar também com seus engajos incansáveis, no âmbito das organizações internacionais, ressaltando seu compromisso com a defesa da cooperação multilateral, em conformidade com os nobres objetivos da Carta das Nações Unidas.

Caro povo,

Recordando nesta atemporal ocasião nacional, o resultado das realizações de iniciativas de reforma e desenvolvimento, visualizando as perspectivas futuras e promissoras, atuando no processo da Constituição, traduzindo o verdadeiro cumprimento da reverência das puras almas, dos líderes da libertação de Marrocos e da edificação do estado moderno, o santo vôo, Sua Majestade o Rei Mohammed V, e nosso pai Sua Majestade o Rei Hassan II, que Deus esteja com sua alma, bem como todos os mártires da libertação, da independência e da integridade territorial, aqueles fiéis que cumpriram o pacto com Allah, que Deus esteja com suas almas e os recompensa o melhor.

 Também dirigimos as palavras de estima e apreço a nossas forças armadas, guarda Real, segurança nacional e administrações  territoriais e força auxiliar e protecção civil, bem como pelo esforço e trabalho permanente e duro sob nossa liderança para defender Marrocos e sua soberania, garantindo a segurança e estabilidade.

 Deus tudo poderos que pedimos nestes dias Ramadã o Senhor Todo-Poderoso atenda as nossas prestes e  nos guiar e todos aqueles que carregam a causa para promover os interesses da nação e servir aos bens desta nação e pelo sucesso da consolidação do Estado de suas  instituições e de uam cidadania generosa que convive em co-existência e harmonia, em termos de unidade nacional e integridade territorial. " Se tem no seu coração o bom, Deus daria." Deus disse a verdade”,


Discurso da sua Majestade o rei Mohammed VI pela trigésima festa do trono 30. Julho 2012
 
Que a paz e a misericórdia de Deus estejam com você. "

Discurso real/Corcas

 

 Este site não será responsável pelo funcionamento e conteúdo de links externos !
  Copyright © CORCAS 2022