الـعـربية Español Français English Deutsch Русский Português Italiano
sexta-feira, 17 de setembro de 2021
 
 
 
Detalhes

Enquanto os habitantes das três regiões do Saara marroquino, como os verdadeiros  cidadãos do Marrocos, confirmando mais uma vez através das eleições comunais, regionais e legislativas esta posição motivadora de participação massiva, ontem, quarta-feira, 8 de setembro de 2021.


Tratando de uma participação de 66,94 por cento em Laayoune-Sakia El Hamra, 63,76 por cento em Guelmim-Oued Noun e 58,30 por cento em Dakhla-Oued Eddahab, essas três regiões nas províncias do sul do Reino excederam significativamente 50,18 por cento. Tal fato foi anotado em todo o país durante este tripartite enquete, de acordo com dados divulgados pelo Ministério do Interior, na noite de ontem, quarta-feira.

Esta intensa participação é uma forte indicação do firme apego do povo do Saara ao seu país e ao seu rei, em prol da construção de suas instituições dentro de uma estrutura regional, avançada  abrindo as portas do progresso e da prosperidade.

Trata-se de uma mensagem dirigida a todos aqueles que ainda vivem sob a ilusão da chamada “independência” do Saara, considerando os residentes desta região capazes de planejar o  futuro  de seus filhos, respeitando o Marrocos e suas instituições democráticas, denunciando a situação miserável nos campos de Hamada, ao sul da Argélia, cuja cumplicidade faz referência ao país estrangeiro.

Tais separatistas não pouparam nenhuma esforços com seus coortes para prejudicar as províncias do sul nos últimos tempos, tentando semear dúvidas nas mentes dos marroquinos de origem saariana, exortando-os a “boicotar” essas eleições, face a determinação e patriotismo dos saranianos,  residentes que afluíram em grande número às assembleias de voto desde as primeiras horas do dia de votação, cumprindo o seu dever patriótico, e ao mesmo tempo expressando a sua rejeição categórica a estas campanhas de propaganda maliciosas e enganosas.

De facto, esta vontade dos saranianos reflete a maturidade do processo democrático, ao participar na eleição dos representantes destes cidadãos nos conselhos e no seio da instituição legislativa, triunfando assim, como sempre, sobre todas as manobras e tentativas maliciosas dos inimigos da integridade territorial. do Reino.

Os três processos que definem as eleições de 8 de setembro revelam a continuidade do processo histórico irreversível, no qual o Marrocos se envolveu, graças às suas províncias saarinen, sem possibilidade de imaginar enquanto essas regiões se desenvolveram, traçando o seu futuro no âmbito da soberania marroquina.

Sendo antes da data eleitoral, vê-se a campanha eleitoral realizar-se  num ambiente de respeito, de disciplina, diante de um exemplar cidadão, mantido num espírito de integração, permeando sobre as regiões saarianas. De fato, não é possível imaginar o contrário, uma vez que a população saraui  vive em pleno paz e tranquilidade nas províncias do sul, e num dinamismo de desenvolvimento sem precedentes, mantendo uma taxa de crescimento muito superior à média nacional e social. Cujos indicadores das autoridades e membros de conselhos municipais e outros órgãos do Reino continuam  atraentes.

O novo modelo de desenvolvimento das regiões do Sul, cujos investimentos de quase 80 bilhões de dirhams transformam radicalmente a cara dessas regiões, consolidando a infraestrutura moderna nas áreas de estradas, de aeroportos, de saúde, da educação, das instalações urbanas, da água e de eletricidade , cuja situação incomparável das províncias do sul do reino, quando se trata da época do colonialismo espanhol.

Independentemente dos resultados diretos destas eleições, a taxa extremamente elevada de participação nestas eleições constitui por si só um referendo, através do qual os residentes das províncias do sul declararam ruidosamente o seu total apoio ao plano de autonomia, a única e realista solução para o conflito regional artificial que já dura mais de 40 anos l.

Trata-se também de um modelo de gestão democrática dos assuntos locais da população no quadro da soberania de Marrocos.

De fato, os conselhos eleitos (comunidades, conselhos municipais e regionais e conselhos regionais) nas três províncias do sul, durante anos, têm sido dirigidos exclusivamente pelo povo do Saara, após as eleições democráticas nestas províncias do sul do reino que a comunidade internacional saudou unanimemente.

Tal gestão destes conselhos assegura aos residentes  do Saara um exercício da democracia local no seio das instituições eleitas, no horizonte da prática desta autonomia.

Notícias sobre o saara ocidental-Corcas

 

 Este site não será responsável pelo funcionamento e conteúdo de links externos !
  Copyright © CORCAS 2021