الـعـربية Español Français English Deutsch Русский Português Italiano
sexta-feira, 26 de fevereiro de 2021
 
 
 
Detalhes

O cientista político americano Robert Satloff, referência no campo da política mundial árabe e islâmica, bem como das políticas dos Estados Unidos no Oriente Médio, exprimiu a sua rejeição categórica do objetivo do senador republicano e  defensor da Polisario, Jim Einhoff, exortando os EUA, na pessoa do presidente Joe Biden para retirar o reconhecimento do Saara marroquino.


"Considerando que essa é a abordagem errada da questão do Saara", sublinhou Satloff, diretor executivo do Instituto de Políticas para o Oriente Médio de Washington, num tweet comentando sobre o objetivo do dito senador americano; propolisario .

O político frisou que “não há contradição entre o reconhecimento da soberania de Marrocos e o apoio à mediação das Nações Unidas para uma solução negociada” deste conflito regional, ao contrário do que afirma o senador que, durante anos, se fez porta-voz da Argélia e dos separatistas.

"Além disso, os senadores que criticaram o abandono de Trump do compromisso de seu predecessor com o acordo nuclear com o Irã deveriam pensar com cuidado antes de pedir a Joe Biden de abandonar o compromisso de seu predecessor de reconhecer a soberania do Marrocos sobre o Saara", acrescentou o especialista nos assuntos internacionais.

A este respeito, Robert Satloff mencionou as conclusões do relatório; publicado recentemente, com Sarah Foyer, no qual o prestigioso Instituto de Política do Oriente Médio de Washington afirmou que, para acelerar a resolução do conflito do Saara, o governo Biden é chamado a renovar o seu apoio e ao mesmo tempo suportar a soberania de Marrocos e o processo de mediação sob o patrocínio das Nações Unidas.

Neste relatório, publicado sob o título "Aproveitando Oportunidades e Fortalecendo Alianças na África do Norte e Ocidental", o Instituto de Washington para a Política do Oriente Próximo enfatizou ao sublinhar que "não há contradição" entre o reconhecimento do Saara marroquino e o apoio à mediação dos Estados Unidos Nações, acrescentando que Washington deve exortar o Secretário-Geral das Nações Unidas sobre a nomeação de um novo enviado, bem como a continuação de apoiar a MINURSO "para manter uma paz e segurança na região"

A nível regional, o American Research Institute acredita que a administração Biden deve "encorajar a liderança da presença marroquina na África", sublinhando que a "Sua Majestade o Rei Mohammed VI tem realizado grandes esforços durante os últimos vinte anos, visando a melhorar a vida diplomática, financeira e a presença de segurança de Marrocos em todas as partes da África Ocidental. “e na África Subsaariana”.

Explicando; "no momento em que a África, e a região do Sahel conhecem muitas mudanças, sobretudo o aumento das atividade terroristas, envolvendo uma região onde a presença russa e chinesa está crescendo, cujo Marrocos tem uma presença e influência como uma força estabilizadora,  podendo servir aos interesses regionais dos Estados Unidos nos próximos anos ".

Revelando a parceria estratégica forte e multifacetada com Rabat, o relatório concluiu dizendo que Washington deve, portanto, saudar a presença do Reino em todo o continente, alocando o seu apoio, sobretudo nos campos da segurança e da economia, levando em consideração “a forma de como este apoio pode melhorar a capacidade de Marrocos de servir à estabilidade regional ”.

Notícias sobre o saara ocidental/Corcas

 

 Este site não será responsável pelo funcionamento e conteúdo de links externos !
  Copyright © CORCAS 2021