الـعـربية Español Français English Deutsch Русский Português Italiano
quinta-feira, 3 de dezembro de 2020
 
 
 
Detalhes

A marcha marroquina é para pôr fim à obstrução do tráfico civil e comercial na passagem da fronteira de Guerguerat; chamando a atenção da comunidade internacional, atirando o amplo apoio de diferentes países do globo, notadamente da África, cujos vários países confirmaram seus apoios à movimentação "legítima" e "pacífica" do Reino, condenando veementemente as ações ilegais e provocativas dos separatistas da Polisario.


Uma vez  chamado para a movimentação marroquina na região, as Forças Armadas Reais impuseram uma barreira de segurança para proteger a circulação de pessoas e mercadorias, sendo através desta passagem, houve muitas reações dos países africanos, apoiando o Marrocos e condenando a insistência da Frente Polisário que bloqueiam o tráfego na região.
Esses países também expressaram o seu apoio ao Saara marroquino e aos esforços do Reino para encontrar uma solução ao conflito artificial. Ao mesmo tempo, os países africanos foram unânimes a  condenar a violação da Polisario e as resoluções de legitimidade internacional.

Assim, o Presidente da Assembleia Nacional de São Tomé e Príncipe, Sr. Delphim Santiago das Nevis manifestou  a sua solidariedade para com o Reino de Marrocos ; condenando as acções provocativas da milícia Polisario na passagem de Guerguerat.

“Tomamos conhecimento,  com grande pesar e com grande preocupação dos atos da milícia Polisario, desde 21 de outubro passado na zona tampão de Guerguerat no Saara marroquino, impedindo a passagem de pessoas e mercadorias que utilizam esta passagem”, declatou Delphim Santiago das Neves numa nota.

Acrescentou, numa altura em que todos os países do mundo, preocupados com a epidemia de Covid 19, a polisario viola o cessar fogo, “considerando-se estas acções um acto condenado e sem logica”, exprimindo, em seu nome e em nome do povo de São Tomé e Príncipe, a sua solidariedade para com o Reino de Marrocos. Reiterando também a posição de seu país à integridade territorial do Reino de Marrocos.

Por sua vez, a República do Djibouti manifestou a sua solidariedade e total apoio às medidas tomadas pelo Reino de Marrocos para assegurar o fluxo de mercadorias, bens e pessoas nesta zona tampão de Guerguerat ; situada entre Marrocos e a República Islâmica da Mauritânia.

Num comunicado, o Ministério de Relações Exteriores e de Cooperação Internacional do Djibuti expressou a sua condenação de quaisquer práticas que possam ameaçar o tráfego nesta passagem comercial vital entre o Reino de Marrocos e as profundezas africanas.
Por seu lado, o Ministério dos Negócios Estrangeiros do Gabão confirmou que o Gabão apoia as medidas tomadas por Marrocos para proteger a zona tampão de Guerguerat, a fim de assegurar a circulação regular de mercadorias e pessoas.

O Gabão também manifestou a sua profunda preocupação com as operações ilegais da milícia Polisario na região de Guerguerat ,  desde 21 de outubro de 2020, destacando que o Gabão "apóia as medidas tomadas pelo Marrocos para proteger esta zona tampão e garantir o movimento regular de mercadorias e pessoas."

“As ações provocativas da Polisario, fontes de tensão, constituem violações flagrantes dos acordos e resoluções do Conselho de Segurança das Nações Unidas, impedendo constantemente o movimento civil e comercial nesta zona tampão, violando o cessar-fogo acordado entre as partes”.

Por seu turno, a União das Comores manifestou o seu total apoio ao Reino de Marrocos, para restabelecer a circulação de mercadorias e pessoas na zona tampão de Guerguerat.
Numa nota, o Ministério dos Negócios Estrangeiros e da Cooperação Internacional das Comores, ligada ao responsável da comunidade, declatou que a União das Comores manifesta o seu total apoio ao Reino de Marrocos na sua batalha legítima e sua intervenção heróica através das Forças Armadas Reais.

Em nome do presidente do país, o ministério afirmou estar a acompanhar com grande interesse a situação no Sara marroquino, cujas forças armadas defendem contra a obstrução da milicia da polisario que prejudicam a circulação de civis e mercadorias ao nível do posto de fronteira de Guerguerat .

 Por sua vez, a República Centro-Africana manifestou o seu apoio às medidas tomadas por Marrocos na região de Guerguerat, para garantir a livre circulação de pessoas e mercadorias na passagem de fronteira com a Mauritânia.

Numa nota oficial, o Ministério das Relações Exteriores da República Centro-Africana saudou a reação pacífica do Reino de Marrocos com o objetivo de garantir a livre circulação de pessoas e mercadorias na região de Guerguerat, expressando, em nome do Governo Centro-Africano, o seu apoio a Marrocos, que se apega ao acordo de cessar-fogo e perante a sua posição firme no sentido de encontrar um acordo político dessa forma , garantindo  a segurança e estabilidade da região.

A declaração também condena todas as violações do conteúdo do acordo; chamando pelo respeito e empenho a continuar no diálogo político e diplomático.

Noticias sobre o saara occidental/Corcas

 

 Este site não será responsável pelo funcionamento e conteúdo de links externos !
  Copyright © CORCAS 2020