الـعـربية Español Français English Deutsch Русский Português Italiano
28 de fevereiro de 2024
 
 
 
Imprensa Audiovisual

O Secretário geral do Corcas, o Doutor Maouelainin Ben Khalihanna Maouelainin (Conselho Real Conselho para Assuntos Sarianos), era o convidado pela edição da revista nesta Sexta-feira, intitulado "o Encontro político" de Rádio "Aswat" co-organizado com o jornal Al Ahdath Al Maghribia.



Esta edição foi didicado ao processo do Sara e a evolução da causa nacional, sendo que o debate tratou sobre cinco eixos.

Um foi consagrado à avaliação tanto quanto a acção do Corcas e o tratamento consagrado ao processo do Sara e a questào dos cidadãos que retornaram à patria mãe (Grupo de Gjijimat).

Por outro lado, o debate foi consagrado tambén ao processo de desenvolvimento e envolvimento das províncias do Sul e a comunicação com os cidadãos, e a vertente das negociações de Manhasset e a mais-valia que traz o Corcas à estas negociações.

O texto integral de esta entrevista será publicado ulteriormente.


Nouzha Lamghari: desejo a bem venda aos nossos ouvintes, o semanário "Al mawïid Assiassi" ao vivo junto ao Aswat. Nosso programa de hoje vai discutir o papel do Conselho Real Consultivo para os Assuntos Sarianos (CORCAS), e sua eficácia na gestão do problema do Sara. Perguntando se o CORCAS participa no desenvolvimento das províncias do sul, qual o valor a acrescentar para as negociações de Manhasset?

O Conselho Consultivo, presidido pelo Sr. Ould Errachid Khalihenna, não precisa ser apresentado, no entanto, podemos lembrar aos nossos ouvintes, suas principais missões.

O Conselho Real Consultivo foi criado em março de 2006, e seus membros foram nomeados por Sua Majestade o Rei Mohammed VI.

Sua principal missão é de defender o Saara marroquino, negociar o projeto da autonomia com a Frente do Polisário, participar no desenvolvimento social e econômico nas províncias do sul e preservar a especificidade cultural do Saara, no contexto da identidade nacional.

Amplos poderes foram concedidos para levar a cabo a sua missão. É consultado sobre todas as questões importantes relativas aos assuntos saranianos. O seu papel consiste em reforçar os direitos humanos através da regra de direito. Ele também trabalha para o regresso e a integração dos marroquinos seqüestrado em Tindouf.

Em nosso programa de hoje, temos o prazer de acolher o Secretário-Geral do Conselho Real Consultivo para os Assuntos Saranianos, Dr. Ben Maouelainin Khalihanna Maouelainin que anteriormente ocupou vários cargos, incluindo o governador de Safi Taroudant Hajeb e Larache.

Dr. Maouelainin, bem-vindo ao nosso programa  "Al mawïid Assiassi", eu disse Dr porque eu sei que você se importa.

Dr. Maouelainin: Obrigado.

NL: Nossos queridos ouvintes, vocês podem participar deste programa através das perguntas que vocês fazem ao nosso convidado, pelo telefone 022.772.424. Este programa é ao vivo em Aswat, em parceria com o jornal Al Ahdath Al Maghribia ", representada pela jornalista Rashid Afif.

Rachid Afif: Boa noite.

Recordando aos nossos ouvintes que desejarem participar deste programa através das suas perguntas via o número  022.772.424.
Após dois anos de existência, como você faz uma  avaliação, sr Maoulainine, do desempenho do Conselho Real Consultivo para os Assuntos Sarianos?

Dr. Maoulainine: obrigado senhor  Nezha

N.L: seja bem-vinda.

Dr. Malaoulainin: Como você tem indicado, diferentes missões têm sido atribuídas ao Conselho Consultivo para os Assuntos do sara, que foi instituído em 25 de março por Sua Majestade. Três destas tarefas são urgentes:

A primeira tarefa é estabelecer uma plena reconciliação entre os filhos da região, com eles mesmos e entre a administração. Neste contexto, você sabe que a primeira etapa foi concluída, a pedido do Sr. Khalihenna Ouald Errachid, presidente do Conselho Real Consultivo para os Assuntos Saranianos, diante do perdão concedido para 46 presos que foram considerados presos políticos na região do sul.

A reconciliação aconteceu com toda a população.

Neste contexto, o Conselho tinha feito uma turnê no Sul, tendo  reuniões em Smara, Guelmim, Tan Tan, Laayoune, Dakhla, Bojador, Awserd para explicar a idéia principal por trás da criação do Conselho, motivo para o estabelecimento do plano de autonomia a favor das nossas regiões do sul.

Pois, a reconciliação veio depois das instruções da Sua Majestade relativa a proposta autonomia, e sobre o qual nos trabalhamos durante a sessão extraordinária que começou 26 de Maio 2006 e encerrou em 6 dezembro 2006.

Trata de um colossal trabalho pelo qual participou 141 membros do CORCAS, e na sequência de um projecto que foi apresentado à Sua Majestade, o qual recebeu a sua aprovação. Este projeto é conhecido como a iniciativa marroquina de autonomia. Ele foi apresentado e explicado em nível nacional e internacionalmente.

Em relação à região, há problemas que têm existido durante 30 anos porque a gerência não estava no nível desejado. Temos resolvido a maioria dos problemas sociais. Um dos maiores problemas é aquele no qual vive tinha 25 anos, os empregados que trabalhavam em fosfatos. Trata de um problema que foi finalmente resolvido graças às instruções da Sua Majestade.

Nós enfrentamos também o problema da moradia que é um problema muito difícil. O programa do governo fornece uma solução até o ano de 2012, mas só para aqueles que viveram em campos de Al Wahda, sugerindo ainda uma gestão nacional e global para criar cerca de 20 000 unidades equipadas para resolver este problema definitivamente.

Começamos desde ontem, a distribuição desses lotes, e agradecendo a Deus, sendo que em menos de um ano, esta obra colossal foi possível. Havia também o problema da juventude, tratando de um problema que é muito criticado e em relação àqueles que regressam a Marrocos, tendo apresentado  algumas idéias para fazer face ao problema, sem esquecer de mencionar o grave problema dos 40 professores objeto da herança do sistema colonial.

Então, este tipo de problemas sociais que temos herdado de trinta anos diante da má gestão. Estes problemas foram tratados nas propostas que fizermos para Sua Majestade, e segundo as altas instruções que o governo colocou em aplicação.

N.L: Sim, Rashid Afif.

RA: Boa noite, Senhor Maoulainine sempre dentro do quadro da avaliação do trabalho realizado pelo Conselho Real Consultivo para os Assuntos Saranianos, notamos que apesar de sua participação na elaboração de autonomia e de resolução de problemas a favor do empregados da usina do fosfato. Existe um certa lentidão no processo, porque em dois anos, ele realizou apenas duas sessões, com uma média de uma sessão por ano, o que ele diria que o Conselho prefere trabalhar direito com o povo, em vez de realização de reuniões, e é isso?

Dr. Maoulainine: É uma lentidão relativa, porque, se compararmos o trabalho que fizemos e o tempo durante o qual ela foi feita, veremos que é um trabalho enorme.

Quando o Conselho foi criado, havia muitos problemas em nossas províncias do sul, não havia mesmo o que a Frente do Polisário chama de revolução dos filhos da pedra ou de revolta. Descobrimos que essa reação foi o resultado de problemas puramente social.

Temos trabalhado a nível nacional e internacional. Explicamos ao público que a solução proposta por Sua Majestade é a única solução que poderia acabar com este problema. Também explicou que os problemas que existem são todos os problemas sociais e económicos e não políticos.

E nós temos, como eu tinha dito para vocês, precedendo a esta resolução  pouco a pouco. Estes problemas foram classificados em 12 categorias, a maioria dos quais foram resolvidos, e você pode analisá-los um por um.

Internacionalmente, houve algum problema de obstrução do Marrocos. Todo mundo pensava que a Polisario foi o representante único e legítimo do povo saharaui na arena internacional.

Conforme as instruções da Sua Majestade, nós visitamos alguns países como França, Espanha, Estados Unidos,  temos explicado a eles o nosso ponto de vista, provando que a maioria do povo saraniano  é encontrado em regiões do Sul. Mas  esta maioria está convencida da defesa da integridade territorial, dos legítimos representantes da população que são o CORCAS em vez da Frente do Polisário.

Tudo isso, preparando bem sobre o projeto de autonomia o que não é uma tarefa fácil, especialmente porque o problema é bastante complicado.

Nós não tivemos nenhum caso antecedente em nível nacional, nem  em árabe ou islâmico. Durante nossas visitas à Espanha, à França aos Estados Unidos, verificou-se que há diferentes maneiras de avançar com o projecto de autonomia.

Mas o trabalho foi feito apenas por membros do Conselho Real Consultivo para os Assuntos saranianos que trabalharam em silêncio e com rigor, e digo isto com franqueza e todas as declarações feitas por membros do Conselho são registradas no vídeo  com  imagem e som, e foram naturalmente apresentados a Sua Majestade o Rei, que Deus o glorifica  tendo em conta o projeto de autonomia que nós desenvolvemos.

Nosso trabalho foi um trabalho difícil. Internacionalmente, há um ponto importante, os nossos adversários fazem uma falsa propaganda através da Internet é uma rede consultada por  todos, e diante disso cariamos uma rede inteira, trata do único  a nível nacional, o qual é divulgado em oito idiomas.

Ele também contém seis sites, o site do CORCAS, o site do Saara online,, o site do Sara Cultura, do Social Saara e do, Sara Desenvolvimento. Todos estes sites são úteis e você pode consultar. Esta rede é comparável a redes internacionais. Embora que isso foi coisa não fácil a realizar,  a rede consegue ser concretizada e um tempo recorde.

NL: sim, senhor Maoulainine, temos muitos telefonemas, mas eu não acho que o tempo permitira de levá-los a cabo, vamos tomar a ligação do  senhor Abdelmajid do Rabat.
Allo

Abdelmajid: Olá

N.L: fala, senhor, qual é a sua pergunta?

Abdelmajid: Sim, boa noite Dr. Maoulainine.

Dr. Maoulainine: Boa noite

Abdelmajid: Eu sou Warith Abdelmajid, presidente da Associação "Ribat Arramz", que se decida à coleção de selos postais.

N.L: Sim, fala.

Abdelmajid: A nossa associação estava a trás do lançamento de selos pela ocasião do 31 º aniversário da Marcha Verde, onde foi mostrado a visita real para as províncias do sul, a mesquita Mohammed VI na cidade de Bojador, e nós aqui perguntamos ao Dr. Maoulainine se for possível o  CORCAS tomar em conta as atividades culturais que possam colocar o acento ainda sobre a aplicação da nossa terra recuperada.

NL: Obrigado Abelamajid de Rabat, pode falar Senhor Maoulainine.

Dr. Maoulaine: Agradeço claro o Sr.  Abdelmajid pela sua intervenção. Em relação as atividades culturais no sul, como você observou, este ano, especialmente, há o festival de Dakhla, você viu?

NL: Nós asseguramos a cobertura da mídia.

Dr.Maoualinine: Um festival a  Laayoune, um outro para o camelo, outro festival do órfão, outro festival de Smara e  o Festival de Tan Tan que é um dos primeiros.

Existem muitos festivais que a região comemora em segurança e em estabilidade, trata de um espaço de criatividade onde as atividades culturais e sociais se realizam, e seguindo o desenvolvimento experimentado por outras províncias do Reino. E nós, de qualquer forma nos só podemos incentivar aqueles que querem trabalhar assim.

N.L: Sim, fala Rachid Afifi.

R.A:  Sempre no quadro dos trabalhos do Conselho Real Consultivo para os Assuntos Saranianos, como sabemos, existem comissões temáticas que foram criadas durante a formação do Conselho, mas é incomum que essas comissões não estejam ainda em funcionamento até até hoje. Até que ponto esta informação é verdadeira e qual é o resultado do trabalho dessas comissões?

Dr. Maoulainine: Como você se sabe, o Conselho Real Consultivo para os Assuntos Saranianos não faz nenhum trabalho sem o consentimento da Sua Majestade, e como se trata de um Conselho Consultivo Real, ele não pode perder tempo para tratar de assuntos fúteis e triviais.

Nós executamos o trabalho que foi assegurado pela Comissão, com respeito aos direitos humanos, por exemplo, temos conseguido um trabalho tremendo com o CORCAS em Genebra, e em todos os níveis, e cada vez que ele é necessário e haja  um projeto real, a comissão prepara o terreno junto com Conselho.

N.L: Sim

Dr. Maoulainine: O trabalho que temos feito com relação à responsabilidade da moradia decorre dos assuntos sociais, e isso foi tratado pelo Conselho e sua comissão social. Isso aconteceu durante a realização da nossa sessão fomos capazes de encontrar emprego para 4.000 jovens da região através de parcerias no domínio marítima ou no que é chamado costeira.

Portanto, este trabalho é feito sempre que há uma iniciativa e idéias para implementar, mas "as reuniões para as reuniões é um método que não aceitamos, nós procuramos assegurar que o nosso trabalho tem repercussões positivas sobre a população.

NL: Sr. Maoulainine, passamos para o segundo eixo que é a questão do Saara, considerando-a uma das prioridades do Conselho Real Consultivo para os Assuntos Saranianos. Quais são os meios que  utiliza para se comunicar ou encontrar um terreno comum, com os opositores para resolver esse impasse?

Dr. M.B.K: Você sabe que a Sra. Nezha que os habitantes dos campos foram completamente isolados salvo aqueles da Argélia e da Frente Polisário que querem sair da situação..

A comunicação com eles, seja da nossa parte ou da parte do Presidente do Conselho Consultivo do assuntos saranianos, tratando de continuar a convencê-los. Para que não haja solução contra o conflito do Saara através da solução de autonomia contra qualquer outra solução que é ilusão.

NL: Esse é o ponto que queria bem  esclarecer, Sr. Maoulainine. Perguntando se a população dos campos está ciente de que ela deve escolher entre o fato de juntar-se a pátria ou a manter-se sempre em Tindouf?

Dr. Maoulainine: Sim, absolutamente, a população esta diante de duas opções: seja escolhe a autonomia como uma forma de viver com dignidade no quadro da integridade territorial de Marrocos, e como sendo a única solução ou optar por ficar em Tindouf. E a população está ciente desta escolha, desde a Conferência de Gjijimet realizada no ano passado, em paralelo com a Frente do Polisário que chamou ao seu XII Congresso.

Esta conferência foi organizada por um grupo de heróis marroquinos que lembraram os sarauis que estavam em conflito, seja como indivíduos ou grupos, do Marrocos, tratando da pátria que é clemente e misericordiosa.

Cada vez que um saraniano retorna  ao Marrocos, ele declara ter estado em erro. Quando a população examinou a proposta de autonomia, ele estava convencido de que ela é a única solução.

Ela tem feito um trabalho importante com relação aos itens controlados pela Frente Polisário na região de Tindouf. Quando este último tinha realizado a sua conferência em Tifariti, ela também teve a sua cúpula em Gjijimat, cerca de 22 km de Tifariti, tem sido dito abertamente  estar a favor da autonomia.

A maioria dessa população é composta de heróis militares, membros das Forças Armadas da Frente Polisário, proeminente xeques de tribos. Todas estas pessoas tinham confirmado estar em erro, que suas idéias não servem aos interesses dos cidadãos e dos saranianos.

Eles suportaram a fadiga da viagem para expressar seu desejo de regressar ao seu país para participar do projeto de autonomia. Isso prova que a comunicação com pessoas em campos deu o seu fruto, para não falar que ele é o canal da televisão regional, divulgado para  70% da população do campo.

Esse canal mostra-lhes a verdade que nós vivemos no Sul e que é diferente daquilo que se alega pelos inimigos da nossa integridade territorial.

N.L: Sim, Rachid Afif

Senhor Maoulainine, se os habitantes  nos campos de Tindouf só têm duas opções:  seja permanecer nos campos de Tindouf, ou retornar as províncias do sul, você não acha que o programa relativo à vista das famílias  e as trocas, bem como as comunicações por telefono ou via cartas no correio se inscrevem nas medidas de confiança, conforme  acordado com as Nações Unidas, evitando o estresse nos campos e um clima sem violência nem raiva ou sem mesmo uma revolução, permitindo à frente do Polisário ter meio ou maneira como forma de rejeitar esta proposta?

N.L: Ou talvez o contrario.

Dr. Maoulainine: Obviamente, e aquilo que é chamado de dados para criar confiança, foram apresentados pela ONU, claro apoiado por aqueles que você conhece e que nós conhecemos. Nossa comunicação vai no sentido de fazer uma escolha entre as duas, e a iniciativa marroquina é baseada  no pedido da ONU com vista encontrar uma solução política aceita por todas as partes. Tal solução é a autonomia, estamos prontos a explicar aos cidadãos, e apresenta-lhes esta forma como a solução única. Aquilo foi dito em Manhasset, e falaremos nisso ainda mais em seguida.

Mas aqueles que nos  ouçam  devem ter em mente que a soberania marroquina não é discutível, e quando fomos colonizados, havia uma espécie de protectorado sobre o Marrocos, e o Marrocos nunca perdeu sua soberania.

Houve uma administração e, quando esta administração é uma parte, a soberania marroquina permanece. E o que nos explicamos a todos aqueles que querem ouvir.

Acreditamos, no  nível do Conselho Real Consultivo para os Assuntos Sarianos, que as visitas atuais teriam sido evitadas desta maneira, mas ainda não sobra à população nos campos de Tindouf do que o  retorno final à pátria, porque essas visitas tornaram-se quase um modo de vida das pessoas nos campos de Tindouf, por isso é uma lufada de oxigênio para o inimigo que o permita de continuar para sempre.

Sem esquecer que a maioria das pessoas que vêm para as visitas, são os espiões do inimigo adversário e da Argélia.

Mas, de qualquer maneira, acreditamos que chegará um dia em que estas visitas serão ultrapassadas, porque a maioria da população já se retornou à pátria, e a comunicação não precisaria mais com essas pessoas desta maneira.

AR: Ainda neste contexto, vocês esperam uma próxima volta de  um novo grupo dos campos de Tindouf?

Dr.Maoulainine: Obviamente, Gjijimat I será seguido, se Deus quiser do Gjijimat 2, 3 e 4 até colocar fim ao sangramento, porque é o único caminho. Porque as pessoas estão cansadas de pedir esmola das  organizações internacionais, já não querem ser um meio de enriquecimento para os outros. Mas sim querem encontrar uma solução para este impasse, mas, naturalmente, também sair com dignidade, e ter garantias de que serão capazes de viver em paz como sempre esperamos, para que eles possam recuperar o que perderam  durante os últimos 30 anos.

NL: Recordando aos nossos ouvintes o número de telefone do programa: 022772424, 022772424, repetindo, se você tem quaisquer perguntas pode perguntar o nosso convidado Dr. Maoulainine, Secretário-Geral do Conselho Real Consultivo para os Assuntos Sarianos. Dr  Maoulainine. Perguntando se existe uma estratégia que tem sido desenvolvida para integrar o sarauís quanto retornar ao país?

Dr. Maoulainine: Obviamente, como eu disse antes, outros governos não tinham uma estratégia para a integração do povo saraniano, voltando para casa, sabendo que muito mais de 4.700 sarauís retornarem ao Marrocos, e o problema será resolvido a 100% em relação a 2500 pessoas.

NL: Quer dizer, perguntando o que resolve o problema?

Dr. Maoulainine: Trata da implementação de uma estratégia.

NL: Mas nós queremos conhecer os passos que são concedidos para resolver o problema.

Dr. Maoulainine: Desde a criação do Conselho Real Consultivo para os Assuntos Saranianos, ele apresentou propostas para este fim junto à Sua Majestade que concede suas instruções, com vista a criar uma comissão nacional que trabalhara numa lógica e razoável, com o governo para a integração das pessoas voltadas, recebendo nas fronteiras aquelas que cheguem arrumando-as um lugar decente, antes de encontrar um alojamento.

N.L: um hotel, por exemplo?

Dr. Maoulainine: Sim, um hotel, por exemplo, esperando que casas sejam  reservadas para que eles possam viver com dignidade na sua região. Isto é o que vamos fazer, se Deus quiser.

NL: É isso que nos chamamos de integração?

Dr. Maoulainine: Claro.

NL: Isso é o que chamamos de integração?

Dr. Maoulainine: Integrar aqueles que voltaram de Gjijimat. Para outros, ele resolvera seus problemas de forma gradual. Há aqueles que estão entre eles que regressaram há muito tempo e cujos problemas não são resolvidos, na ausência de um modelo, trata de uma abordagem reservada para lidar com esta questão.

NL: Por que, então, esse dossiê não for tratado com prioridade?

Dr. Maoulainine: Porque as condições políticas em que vivemos hoje, exige que se responda, primeiro, a pedido das pessoas que insistem em retornar à sua pátria, e depois em relação as suas vidas que estão em perigo sem poder voltar a Tindouf por medo de serem torturados ou assassinados.

Então fomos obrigados a recebê-las em virtude do perigo e o qual elas  foram expostas, mas o método e estratégia que adaptam irá resolver os problemas dos velhos também.

NL: Será que eles se adaptaram rapidamente com o resto da população?

Dr. Maoulainine: Certamente, a integração leva tempo,  e isso não faz que 4 ou 5 semanas para estar entre e com os seus próprios num local conveniente. En todos os dias há recepções numa homenagem, organizada por tribos sarauís para mostrá-los que eles estão bem-vindos. Eles mesmos dizem que estão em boas condições e com a esperança de recepcionar aqueles membros de suas famílias que permanecem em acampamentos.

RA: Sempre no quadro do retorno do saraniano à pátria, o Conselho Consultivo desenvolveu uma estratégia para atrair mais saranianos, enviando mensagens diretamente para os campos, perguntando quais os meios utilizados neste contexto?

Dr. Maoulainine: Existem diferentes maneiras de fazer isso, é claro que são pessoais confidentes com métodos, o presidente do CORCAS engaja esforços nesse sentido para atrair a maioria dos que estão convencidos de que uma solução política é a autonomia que é a única solução para o conflito do Saara.

Claro, existem métodos que são normais, como eu já disse, a internet pelo qual criamos e que é concebido com todos os moradores do campo. É uma rede que explica o problema desde o inicio, oferecendo soluções e mostra a verdade às pessoas. Por exemplo, quando utilizamos o site das cidades marroquinas, há pessoas que não viram as cidades saranianos desde que eles deixaram.

Boujador, Era uma simples fonte de luz dando sobre o mar, agora se tornou uma grande cidade. Mostramos essas imagens e fotografias que reflectem todos os projetos sociais que tiveram durante os 30 anos, tornando-se uma cidade como Laayoune. Seja do mesmo nível que as grandes cidades do Marrocos, se não melhor em termos dos projetos e do trabalho que foi  feito.

A rede serve para divulgar as realidades, os projectos e o trabalho colossal que foi alcançado pelo Reino do Marrocos, e graças a ele que as pessoas se tornam conscientes do que está acontecendo.

Há também uma rede de televisão regional que realiza um grande trabalho, mostrando às pessoas a liberdade que eles têm e o trabalho feito pelas autoridades locais e estaduais.

Então, tudo isso vai junto com o método adoptado para resolver o problema. E é completamente o oposto do que afirmam os nossos adversários, isso quer dizer que as pessoas vivem isoladas, marginalizadas, mas a verdade é outro. Este método faz o reconhecimento o mais importante que existe nos campos, e justamente a Frente Polisário tem medo disso.

N.L:. Dr. Maoulanine, pegamos a ligação do Ibrahim de Casablanca,. Ibrahim, bem-vindo.

Ibrahim: Muito obrigado, senhor

N.L. fala e faz a sua pergunta

Ibrahim: qual é o problema, eu continuo convencido de que será resolvido e estou muito otimista.

N.L. : É isso que nos esperamos também.

Ibrahim: Será resolvido, mas teríamos gastado muito tempo em nível do Magrebe Árabe, mas  teríamos também as oportunidades perdidas. Nós não queremos estar numa situação tal qual descreveu o Africano dizendo ao  UE ", você tem o tempo e nós termos o tempo".

N.L. : Sim

Ibrahim: Nós dizemos que nós, os marroquinos, temos o tempo e os nossos inimigos têm tempo.

N.L. : A sua pergunta por favor.

Ibrahim: Minha pergunta é que, até agora, ouvimos discussões em nível político com vista alcançar uma solução política,  perguntando se não há em paralelo uma mobilização económica, pois nos disponhamos em nível do Magrebe árabe, da potencialidade de um mercado comum?

N.L. Eu acho que uma solução política dificulta a solução econômica, mas eu deixo a palavra ao Dr. Maoulainine para ver se há um acompanhamento econômico para o aspecto político, deixo para o Dr.

Obrigado Ibrahim.

Dr. Maoulainine: Obrigado Sr. Ibrahim. Embora o problema do Sara, desde que existe, não tem sido benéfica para qualquer partido, e todos aqueles por trás da manutenção deste conflito arcaram com um atraso diante dos grandes projetos que poderiam resolver todos os problemas deste parte do Magrebe Árabe.

Este  Magrebe Árabe detem um potencial, seus países têm coisas em comum e podem complementar-se, com vista a criar uma entidade unida, que poderia lidar com a Europa ou com os Estados Unidos, ou qualquer outro em nível de instituições no exterior, e abrindo os novos horizontes para o trabalho econômico na região.

Por essa razão o conflito do Sahara tinha atrasado esse trabalho, e nós dizemos que a solução é a proposta que foi feita pelo Marrocos, porque poderia proporcionar aos países do Magrebe Árabe a oportunidade de criar, viver em complementaridade para resolver seus problemas.

Estes são os países que gozam de um grau no sentido da complementaridade nos domínios econômicos, sociais, políticos, podendo dar um grande salto em frente, imediatamente após a resolução deste problema.

Quanto ao sul, cuja economia é muito próspera, eles têm grandes projetos como os que existem em Casablanca e em outros lugares.

Com a resolução dos problemas sociais, principalmente o problema da habitação, a região do Sul tornara  um exemplo de luta contra as favelas.

Trabalhamos de forma progressiva até a resolução definitiva deste problema.

N.L: De fato, temos assistido a uma conferência de imprensa de Taoufiq Hjira, Ministro da Habitação que lançou o projecto dos apartamentos econômicos. Elas são de 14 milhões cêntimos. Este projeto terá início em Assa Zak, Tan Tan, em seguida, nas províncias do sul. Aquilo justifica,  Ibrahim, que o processo econômico não pára porque trata de uma crise política, ao contrário, o desenvolvimento econômico nas províncias do sul segue seu percurso. Fala senhor Rachid tem outra pergunta?

RA: Em relação a este lado político, somos levados a discutir os resultados da 4 ª rodada de negociações de Manhasset, que terminou no mês passado. Até agora, foram realizadas 4 rodadas, e parece que a Frente Polisário e a Argélia estão tentando fazer uma rodada atrás outra, com vista a banalizar o plano de autonomia apresentado pelo Marrocos e tornando-se parte da história de conflitos e soluções que foram apresentadas anteriormente. Perguntando se os membros da delegação, dos quais você esta incluso, estão conscientes desta armadilha na qual poderia cair a proposta marroquina?

Dr. Maoulainine: A delegação da Frente do Polisario toma parte das negociações para a procuração da  Argélia. A Argélia não cessa de repetir que não tem nada a ver com este conflito, mas, infelizmente, tudo o que ela tem feito desde 1975 contradiz completamente essa afirmação.

Eu dou um exemplo simples: em 1975, quando Marrocos lançou a Marcha Verde, a reação negativa da Argélia foi resumido na expulsão de 52.000 marroquinos do Norte.

Quando Marrocos assinou o acordo pelo qual ele se recuperou do Sul, a Argélia tem criado o que é chamado a Frente Polisário, e prosseguiu depois com a Constituição da República, quando o Marrocos lançou o referendo conforme a Sua Majestade, em 1981.

Tinha imposto esta entidade no âmbito da Organização da União Africano, o que levou Marrocos para sair da OUA. Quando o Marrocos aceitou o primeiro acordo do Baker, tendo proposto a cessação. ora discutirmos o projeto de autonomia que foi lançado por Sua Majestade, diante da oposição sem conhecer o seu conteúdo.

Tudo isso nós sabemos, e ele não esconde seu desejo de denunciar tais projetos, e a prova disso é a rejeição do pedido apresentado pelo Marrocos, nos últimos dias da abertura das fronteiras quando ela disse que o conflito do Saara está nas mãos da ONU, e nós precisamos resolver as questões bilaterais separadamente.

De qualquer forma, os seus métodos de trabalho e as manobras foram desvendados. O Marrocos fará suas deduções após a quatra rodada de negociações.

N.L. : Mas será que podemos considerar tudo isso como uma carta do sucesso a favor do Marrocos?

Dr.Maoulainine: Bem evidentemente. a ONU chamou as partes interessadas para apresentarem uma solução política contra esse problema que é um impasse. Diante disso o Marrocos apresentou este projecto objeto de discussão.

Todos os países importantes, em nível internacional, têm confirmado a eficiência e a eficácia diante da presente proposta que poderia ser a solução contra o conflito. O que dissemos a Frente Polisário e todos aqueles que estão com ele, em Manhasset, e o que nos repetemos hoje, é que eles não deveriam sonhar com o que eles chamam de sua "república".

O Marrocos poderia discutir salvo a soberania sobre o sara que foi ligada desde 14 ciclos,  desde Moulay Idriss I até hoje. Este ponto não é objeto da discussão. Se eles aceitaram este principio, eles poderiam evidentemente compreender que a solução decorre das negociações, se não, o Marrocos tomara as medidas necessárias sobre a questão.
 
N.L: Perguntando se existe um prazo para aqueles que querem voltar a mãe, pátria, para que coloque  pressão e definir este problema?

Dr. Maoulainine: De qualquer forma, nos temos iniciado as negociações sob a égide da ONU, e a ONU não deixara do lado as negociações.
 
  NlL: Eu quero dizer, mais que vocês coloquem a pressão, mais ainda Argélia se encontrara numa situação difícil.

Dr. Maoulainine: Nao exercemos a pressão, nos digamos e nos mostramos a verdade. Nos damos soluções.

Nos fizermos com que as coisas mudassem, enquanto o problema estava no statu-quo desde 30 anos, e nos proponhamos uma solução racional que satisfaz os saranianos. Ele resolve seus problemas com a administração marroquina. Isso satisfaz o povo e preservara sua soberania e sua integridade territorial. E a ONU exorta porque ele preservara uma solução contra o problema. Ele satisfaz também os saranianos nos campos, certo, ele é ciente  de satisfazer Argélia se ela buscara o interesse dos saranianos e se realmente, como ela tinha sempre repetido que ela não tinha nenhuma relação com este problema.

N.L. Rachid Afif

R.A: pergunando se não trata disso, senhor Dr Maoulainine de uma ausência de confiança da outra parte diante deste projeto marroquino? Se não pensam  que você e os membros do Polisario creiam que este projeto é uma manobra que o Marrocos trata sem seriedade diante doo que ele proponha? ,

Dr. Maoulainine: sim, repetindo isso quanto ao reino do Marrocos, mas este projeto de autonomia não e um caso a parte. Ele decorre no quadro de reformas  que conhece o Marrocos desde a entronizarão da sua Majestade o rei que deus o Glorifica. As reformas que atendem ao domínio da democracia. Notadamente a reconciliação, com o passado. No domínio social em ocorrência com aqueles que dizem respeito ao quadro da família, tratando de uma revolução econômica em nível nacional, do norte ou no sul do pais, raro em seu gênero. Isso é no quadro de um pais como tal que não tem outros recursos a não ser o potencial humano.

E o projeto de autonomia faz parte de todas as reformas que visam resolver o problema que durou mais de 30 anos.

A solução proposta pelo Marrocos é uma solução que satisfaz todos os saranianos, e porque não, pois eles são os saranianos encontrados no Marrocos e que tinham elaborado e apresentado um projeto com a sua Majestade que o aprovou.

Então trata de um projeto que é feito pelo saranianos para os saranianos e em conseqüência ele decorre da realidade.

Segundo, a sua Majestade tem bem dito que este projeto é destinado uniquamente aos saranianos e respeita a particularidade dos saranianos. Eles mesmos percebem que a promessa é mantida proque aqueles que tinham voltado de Gjijimat constraram isso.

Em conseqüência, a idéia é feita pelo Marrocos como sendo um Estado que não tem palavra, envolvendo com o trabalho colossal engajado  graças a sua Majestade
 
NL: Dr Maoulainine, como se apresenta na quinta rodada de negociações de Manhassat?

Dr. Maoulainine: Nos esperamos que o Polisario muda de posição extremista para que possa discutir de forma profunda a questão. Para nos todas as rodadas passadas são iguais. O único e quase o único ponto positivo é o fato de se encontrar em torno de uma mesma mesa, e podendo dizer ao polisario diante das testemunhas da ONU o que pensam sobre o Polisario pretendendo ser os únicos representantes do povo saranianos. Sendo que o problema não é um problema, como pretende o polisario, nem um problema de colonização mas sim um problema político. 

O Marrocos tenha proposto uma solução anotada que satisfaz mais de 80% dos saranianos. Se eles querem avançar, eles devem mudar do comportamento e devem ser mais realistas

Mas como você se sabe, a frente do polisario é uma frente inteira na sua   maneira de governar. E desde sua existência, ela não acredita  as negociações enquanto essas não podem ter sucesso porque as duas partes não intervinham com boa fé, mas as duas estão convencidas dos princípios de negociações que exigem as concessões.

O Marrocos tem, por sua parte, feito concessões relativas a integridade total. Ele pode e proponha a autonomia no seu aspecto mais desenvolvido tal como foi aplicado em Catalunha  em Espanha. Então, o Marrocos tem feito as concessões mas o polisario não tem feito nenhuma concessão nem um passo em frente. O polisario  deve rever sua posição e sua linguagem tanto que  que eu acredito a esta altura que a  frente possa ser capaz.

Fonte: Corcas
Atualidade sobre o sara ocidental/Corcas. 

 

 

 Este site não será responsável pelo funcionamento e conteúdo de links externos !
  Copyright © CORCAS 2024