الـعـربية Español Français English Deutsch Русский Português Italiano
sexta-feira, 7 de outubro de 2022
 
 
 
Imprensa Audiovisual

A Espanha não consultou a Europa antes de tomar suas decisões, as que afetam os interesses de Marrocos, e a Europa não foi consultada ao violar os "critérios de Schengen", admitindo uma pessoa objeto de um mandato judiciário internacional e espanhol, e de forma fraudulenta (Ibrahim Ghali, líder da Polisário)



O Ministro dos Negócios Estrangeiros, da Cooperação Africana e dos marroquinos residentes no estrangeiro, Nasser Bourita sublinhou que a Espanha criou a crise com Marrocos e fez  a Europa suportar.

Sr Bourita, convidado pelo programa “Europe Swar Weekend”, canal “Europe 1”, sublinhou que “a Espanha não consultou a Europa antes de tomar decisões, afetando os interesses de Marrocos, nem tampouco consultado a Europa antes de violar os“ critérios de Schengen ” aceitando a entrada de uma pessoa procurada pelo judiciário espanhol, uma forma fraudulenta (Ibrahim Ghaly, líder da Polisário). Pois a Espanha criou uma crise e quer que a Europa a suporte. ”

O ministro considerou que “a crise entre Marrocos e Espanha deve ser contextualizada”, “o contexto de uma crise bilateral entre Marrocos e Espanha”, devendo ser “uma crise que nada tem a ver com a Europa, criada por uma decisão nacional da Espanha sem consultar seus parceiros europeus. ”

Para Sr Bourita, "há uma tentativa de desviar o curso do debate, indo no sentido da questão da imigração, enquanto o cerne da crise é o comportamento ofensivo da Espanha contra o Marrocos, seu povo e seus interesses estratégicos".

Sobre a questão da imigração, o ministro fez questão de relembrar alguns fatos e apresentar alguns fatos "longe de qualquer discurso emocional".

Esclarecendo: "O primeiro fato, o Marrocos não tem obrigação a não ser  proteger suas fronteiras e não outras fronteiras, além de suas. O Marrocos não é uma gendarmaria nem uma porta de entrada para a Europa para proteger fronteiras que não são suas. Por isso,  o Marrocos não faz isso em cumprimento de uma ordem, nem de uma obrigação.

Anotando que o Marrocos tem dado muito no campo da cooperação relacionada à migração, e isso não era obrigatório ou em troca. Tal fato envolve a parceria. A parceria entre Marrocos e Espanha, constituindo uma parceria entre Marrocos e a União Europeia, mas a parceria não é selectiva, uma vez conhecemos bem os interesses estratégicos dos parceiros.

Explicando ainda que o “Marrocos nunca agiu para fornecer um serviço em troca de crédito ou compensação financeira; o  Marrocos recebe uma  média da União Europeia que não ultrapassa 300 milhões de euros anuais,  20 por cento menos do que o custo que o reino suporta no combate à imigração ilegal.

Antes de reafirmar que a crise com a Espanha "é antes de tudo uma crise de imigração, eclodida de uma crise política entre dois parceiros", Bourita fez questão de revisar alguns fatos e corrigir algumas das acusações contra o Marrocos, considerado como o "mau" parte nesta crise, em uma tentativa desvendada de distrair a atenção do verdadeiro problema.

Nos últimos quatro anos, o Marrocos desmantelou 8.000 células de contrabando de seres humanos. Também abortou 14 mil tentativas secretas de imigração, incluindo 80 tentativas de invadir a cidade de Ceuta, em troca de mais de 9.000 informações sobre imigração ilegal para com a Espanha.

Sublinhando que o: “Marrocos segue uma política de boa vizinhança e parceria” sendo “a boa vizinhança não vai em uma direção”. porque a boa vizinhança não é da responsabilidade de Marrocos e da liberdade dos seus parceiros, nem se opor aos seus interesses.

Em relação a acusação de Marrocos de recorrer à “extorsão” através da “imigração”, no seu contencioso com a Espanha tendo como pano de fundo a recepção do líder da milícia Polisario. O ministro afirmou que “aqui de novo o problema está mal colocado: considerando como se Marrocos tem a obrigação de trabalhar para proteger a Europa. O Marrocos não é obrigado. O Marrocos faz isso no quadro da parceria. A parceria é mútua. E com base na compreensão dos interesses de um para outro. "Sendo que não se pode manobrar uma noite contra o seu parceiro e pedir-lhe no dia seguinte para ser sincero ou de acordo."

Em resposta a uma pergunta sobre o estado das relações diplomáticas com a Espanha, o Sr. Bourita afirmou que “Ao contrário do que afirmou o Ministro das Relações Exteriores da Espanha, não houve nenhum contato entre o Marrocos e Espanha desde o início desta crise e, ao contrário ao que dizes, o Marrocos nunca tem sido informado da entrada desta pessoa a Espanha (Ibrahim Ghali).) ”.

Sr Bourita interrogou: “O Marrocos levanta questões claras hoje: é normal no estado de direito, no quadro do parceiro como o Marrocos, falsificar um passaporte e seu documento de  identidade tendo em vista chegar ao território europeu? É normal que tal pessoa esteja processada em Espanha por quatro acusações: uma das acusações é o violo  e estupro de uma cidadão espanhola, além da acusação de terrorismo pela Associação das Ilhas Canárias de Vítimas do Terrorismo e violação e torturas ,… ”.

O Sr. Bourita acrescentou: o "Marrocos distingue-se pelas suas excelentes relações para com quase todos os países da União Europeia, denunciando a crise bilateral objeto de uma postura hostil por parte da Espanha", expressando o seu pesar "por tentar mudar o curso do debate e criar uma crise que não existe entre o Marrocos e a União Europeia ”.

Sobre a questão dos imigrantes menores, o ministro sublinhou: “É um problema que Marrocos discute francamente com muitos países europeus no âmbito da sua responsabilidade”.

O Sr. Bourita considerou que “atualmente existe um problema de confiança e respeito mútuo com o sócio directo objeto de uma crise criada por parte  da Espanha, devendo encontrar uma solução ”.

Concluindo ao dizer que “a Espanha acredita que a crise pode ser resolvida removendo esta pessoa (Ibrahim Ghali) com as mesmas medidas, isso significa, procurando envenenar a atmosfera e um agravamento da crise ou mesmo ruptura.

Notícias sobre o saara ocidental-Corcas

 

 Este site não será responsável pelo funcionamento e conteúdo de links externos !
  Copyright © CORCAS 2022