الـعـربية Español Français English Deutsch Русский Português Italiano
sexta-feira, 7 de outubro de 2022
 
 
 
Imprensa Audiovisual

O Sr Emmanuel Dupuy, presidente do Instituto pelo Futuro e Segurança na Europa,  do grupo think tank, envolvendo as questões geopolíticas e geoestratégicas, com sede em Paris, confirmou que a "Polisário" representa uma ameaça "iminente" para a Europa, bem como aos países europeus que particularmente acompanham os atos desta entidade sua propaganda e sua ameaça,  à luz das “relações estabelecidas ao nível da região do Sahel e  Sahara”.


Numa entrevista apresentada junto ao MAP, na véspera de um hipotético simpósio sobre o tema “A ameaça + Polisário + para a região euro-mediterrânica ... cuja responsabilidade  da Argélia”,  denunciada conjuntamente com o Instituto pelo Futuro e  Segurança na Europa com o Instituto Mandela, o Sr. Dupuy considerou que a presença de um líder de organização do Estado Islâmico "no Grande Saara" Abu Walid al-Sahrawi, leal ao ISIS, organização terrorista, maio de 2015, constituindo um dos elementos mais perigosos que que a comunidade internacional condena, especialmente os países mobilizados na Operação - Barkhane.

Tal especialista geopolítico explicou que apesar da questão do terrorismo na região do Sahel, "não envolve necessariamente  todos os países europeus (...), mas sim existe para estes países uma certa vigilância e consciência da interconexão personificada dos ativistas terroristas, atravessando o Sahel e Região do Saara. "

Enfatizando que isso é particularmente verdadeiro nos "países mais preocupados com questões de terrorismo, isto é, aqueles que foram submetidos a ataques terroristas, como a Grã-Bretanha durante os ataques de Londres 2005, a Espanha 2004, e dez anos após os ataques contra a França. Outros países também foram objeto do terrorismo. "Como  a Suécia, a Bélgica e a Alemanha."

Segundo o chefe do instituto, muitos estão envolvidos no combate ao terrorismo, mas nem todos estão comprometidos no mesmo nível ”, destacando os níveis diferenciados dos países europeus na ação militar contra os grupos terroristas armados na região.

Nesse contexto, a especialista alertou que os grupos terroristas pretendem manter as operações. tendo declarado: "Temos certeza de que houve várias tentativas de penetrar no Senegal, fevereiro 2020, e poucos dias antes da cúpula de N'Djamena,  certos de que os grupos terroristas tem um plano para desenvolver sua atividade militar e sua capacidade, visando toda a comunidade econômica dos Estados da África Ocidental e, em particular,  os países do Golfo da Guiné.

Por esta razão,  para alcançar a estabilidade na região do Sahel e do Saara, combatendo os grupos terroristas exacerbados, o que requer "convergência de pontos de vista" e "envolvimento real das organizações no sentido de melhorar a harmonia entre os países, especialmente o Caucus do Sahel, os Estados do Saara e  da Comunidade económica dos Estados da África Ocidental ”, Lamentando um certo número de países não pertencer a todas estas organizações, como o caso da Argélia, que não é membro da Comunidade do Sahel e dos Estados do Sahara.

Concluindo ao dizer que “tudo isto constitui um factor fundamental que legitima a inclusão de países, como Marrocos,  preocupando com a estabilidade e segurança do seu sul, ou seja, o Sahara, e por isso mesmo que o anti-terrorismo entre França, Espanha e Marrocos constitui uma forma de cooperacao a alimenta e consolidar ”.

Notícias sobre o saara ocidental-Corcas

 

 Este site não será responsável pelo funcionamento e conteúdo de links externos !
  Copyright © CORCAS 2022