الـعـربية Español Français English Deutsch Русский Português Italiano
quinta-feira, 17 de outubro de 2019
 
 
 
Imprensa Audiovisual

O embaixador de Marrocos em Austrália e Nova Zelândia, Mohammed Maouelainin sublinhou que o povo dos campos de Tindouf, no sudoeste da Argélia não é um povo refugiado no sentido reconhecido internacionalmente, mas é  um povo mantido e privado da liberdade de circular sujeito  às milícias armadas que saqueam seu dinheiro e  suas ajudas concedidas pelas organizações internacionais.

 



Sr. Maouelainin, em uma entrevista para  tv  Australian (SBS), por ocasião da comemoraçao de Marrocos do quadragésimo aniversário da “Marcha Verde”, considerou que a questão do Sara é uma questao definida, a terra do saara  incorporou-se a sua terra natal após a saída do colonialismo espanhol.

 Embaixador marroquino explicou que o Reino dirigiu às Nações Unidas, após as negociações chegar a um impasse, uma proposta de um plano de autonomia para as províncias do sul, salientando que as Nações Unidas descreviram esta proposta como credível e séria e pode levar a uma solução para a questão.

 O diplomata marroquino sublinhou que Marrocos considera os seqüestrado em Tindouf seus filhos, exressando repetidamente a sua vontade de encontrar uma solução para suas províncias do sul no âmbito da sua soberania, destacando que Sua Majestade o Rei Mohammed VI ressaltou, no discurso da “marcha verde”, que Marrocos rejeita qualquer aventura nao calculada das consequências.

 Acrescentando  que o apelo do Secretário-Geral das Nações Unidas para as partes para conduzir as negociações se inscreve no quadro das Nações Unidas para procurar uma saida  às disputas através do diálogo.

Noticias sobre o saara ocidental/Corcas

 

 Este site não será responsável pelo funcionamento e conteúdo de links externos !
  Copyright © CORCAS 2019