الـعـربية Español Français English Deutsch Русский Português Italiano
quinta-feira, 17 de outubro de 2019
 
 
 
Imprensa Audiovisual

As Tribos sarauís mantiveram sempre todos os laços de fidelidade com os Soberanos marroquinos,  como tinha confirmado segundo o oparecer do orgão consultivo do Tribunal Internacional de Justiça (CIJ), tornado publico em outubro 1975, sublinhou o ministro da Comunicação, porta-voz do Governo, Mustapha El khalfi.


O parecer consultivo do Tribunal Internacional de Justiça (TIJ) sobre o Saara marroquino confirmou que, durante a colonização espanhola, os laços jurídicos de fidelidade existiam entre o sultão de Marrocos e as tribos que viviam no território do Saara marroquino , disse El-khalfi, em uma entrevista transmitida por Middle East Monitor (Memo), um centro de pesquisa com sede em Londres, em seu site Web.

Desde 2001, a ONU chama para uma solução política, justa, duradoura e solução mutuamente aceitável pelas partes, prosseguiu o ministro.

E o Sr. El khalfi enfatizou que antes da colonização, os acordos internacionais concluídos com os Estados Unidos, Grã-Bretanha, França e Espanha consideraram o Saara como parte integrante de Marrocos, historicamente, juridicamente e socialmente.

O ministro se refere ainda às duas principais iniciativas lançadas por Marrocos, ou seja, em primeiro lugar, o plano de autonomia marroquino para o Saara sob soberania marroquina, qualificado pelas Nações Unidas e principais potências de sério, credível e realista.

O segundo grande projeto é o modelo económico integrado para as províncias do sul, lançado em 2013, com objectivo de reforçar os recursos naturais da região e repartição equitativa dos seus lucros em prol das populações locais.

Quanto à União do Magrebe Árabe, El khalfi tem chamado para a necessidade de relançar esta união para enfrentar os desafios econômicos, sociais e culturais que enfrentam todos cidadãos, lamentando que, apesar das repetidas chamadas de Marrocos para reabrir fronteira com a Argélia, "nada tem sido ocorrido."

Voltando à questão de Al Qods, o ministro voltou sobre a 20 ª Sessão do Comitê de Al-Quds, realizada em janeiro passado em Marrakech, sob a presidência de Sua Majestade o Rei Mohammed VI, Presidente da Comissão.

Esta sessão foi uma oportunidade para definir uma visão unificada dos países islâmicos e estudar as formas e mecanismos para lidar com as tentativas de Israel que visam judaizar e desnaturar o caráter e a marca autêntica da Cidade Santa de Jerusalém diante das contínuas ataques de violações que visam também a sacralidade e a inviolabilidade da Al-Aqsa.

Ele também tem procurado enfatizar a necessidade de reforçar o apoio financeiro, acrescentou o ministro que ressaltou a liderança do Soberano sobre esta questão.

Durante esta entrevista, o ministro voltou também sobre a nova política de imigração lançado em setembro  2013 pelo Reino, de acordo com as altas orientações reais.

Em suma, ele disse, trata-se de uma nova visão l da política nacional de migração,  humanista na sua filosofia global, no seu conteúdo, responsável na sua abordagem e pioneiro no nível regional. Já, disse o ministro, o processo de registro dos imigrantes, notadamente de origem subsaariana, foi lançado no Reino. Neste sentido, tem lembrado que cerca de 8.000 estudantes africanos estudam em Marrocos e cuja maioria recebe uma bolsa de estudos do Reino.

- Notícias sobre o saara Ocidental / Corcas

 

 Este site não será responsável pelo funcionamento e conteúdo de links externos !
  Copyright © CORCAS 2019