الـعـربية Español Français English Deutsch Русский Português Italiano
22 de maio de 2024
 
 
 
Imprensa Escrita

As Nações Unidas enterram definitivamente a opção do referendo, considerando o plano de autonomia para o Saara marroquino como “sério, realista e credível”.

O diário peruano Larazón  escreveu que o caminho é pavimentado para as relações peruano-marroquinas, comemorando este ano o sexagésimo aniversário do estabelecimento das relações, almejando elevá-las ao nível de uma parceria multidimensional e multissetorial.



Num artigo de opinião publicado pelo diário sob o título “Peru-Marrocos: a necessidade de consolidar as relações”, o jornalista Ricardo Sanchez Serra destacou que em 2024 o Peru e Marrocos têm comemorado o sexagésimo aniversário do estabelecimento das relações bilaterais, uma oportunidade ideal para trabalhar no quadro de uma parceria diversificada e multissetorial envolvendo a política, a diplomacia, o comércio e cultura, constituindo um passo decisivo para as relações, mais estratégicas entre Lima e Rabat.

Neste artigo de Sánchez Serra, ele analisou os diferentes aspectos do desenvolvimento econômico e social que conhece o Reino, sobretudo as regiões do sul, destacando o enorme projeto do porto atlântico de Dakhla, sendo  a ponte horizontal e porta de entrada para o continente africano.

Tal  escritor peruano e vice-presidente do Sindicato dos Jornalistas do país sul-americano considerou que “o Marrocos Atlântico detém uma visão estratégica, constituindo uma oportunidade real a aproveitar para se posicionar nas portas do continente do futuro”.

Neste contexto, o autor do artigo considerou importante manter ligações com um dos melhores portos do Mediterrâneo - o quarto do mundo segundo o relatório do Banco Mundial - Tânger Med, e portos de Kayao e Chankai,  refletindo positivamente sobre o comércio e desenvolvimento económico, bem como sobre o comércio internacional, uma vez que estes portos são pontos estratégicos de contacto entre as regiões da América do Sul e de África, tendo um papel na atração de investimentos estrangeiros e da promoção do desenvolvimento da indústria.

Por outro lado, o autor Sánchez Serra insistiu sobre as relações entre Peru e Marrocos, como reforçá-las ainda mais e cooperar noutras áreas, como o turismo, a educação e a tecnologia.

Em relação à questão do Saara marroquino, o escritor peruano e especialista em relações internacionais saudou a dinâmica e o processo que conhece a questão nacional, base das sucessivas realizações e conquistas, graças ao reconhecimento do saara marroquino pela maioria dos países do mundo, e do respeito da integrante do território marroquino.

Sublinhando assim que as Nações Unidas enterraram definitivamente a opção do referendo, apontado o plano de autonomia para o Saara marroquino como “sério, realista e credível”, resultando em cerca de 30 países do mundo objeto da abertura de consulados nas cidades de Dakhla e Laayoune, chamando muitos países da região para seguir o exemplo de outros países africanos, árabes e latinos, e abrir consulado peruano no Saara marroquino.

Finalmente, o experto  peruano concluiu que Marrocos tornou-se o país mais seguro e estável da região, reconhecido internacionalmente, dada experiência do combate à criminalidade transfronteiriça, o terrorismo, o contrabando de drogas e a gestão dos fluxos migratórios, chamando seu país para envolver as iniciativas multidimensionais, a manter a cooperação com o Reino no âmbito de uma aliança estratégica, combinando as palavras com as ações.

Notícias sobre o saara ocidental-Corcas


 

 Este site não será responsável pelo funcionamento e conteúdo de links externos !
  Copyright © CORCAS 2024