الـعـربية Español Français English Deutsch Русский Português Italiano
quarta-feira, 19 de janeiro de 2022
 
 
 
Imprensa Escrita

A revista italiana “Intervento” destacou a importância do envolvimento da União Europeia para buscar uma solução política e realista da questão do Saara marroquino, da mesma abordagem que  comunidade internacional pretende,  abandonando o papel de “espectador passivo”, num contexto da dinâmica desencadeada devido ao reconhecimento americano da plena soberania de Marrocos sobre o Saara.



Tal revista sublinhou que a Europa “está inevitavelmente envolvida neste conflito regional por vários motivos, devido ao seu passado colonial nesta região”, anotando que “a colonização espanhola dessas terras marroquinas ocorreu após a Conferência de Berlim em 1884, objeto das potências europeias que dividiram a África. ”

Sublinhando que “é evidente que a Europa esteja bem ciente da situação em que se encontram as terras marroquinas antes da sua ocupação, como mostram os dossiês europeus”, referindo que “os acordos assinados ao longo de décadas entre as potências europeias e Marrocos, envolvem estratégias comerciais ou apenas para proteger seus cidadãos e marinheiros na região do Saara, constituindo uma prova de seu profundo conhecimento deste aspecto histórico e jurídico. ”

Tal revista italiana considerou ainda que no que diz respeito ao aspecto humanitário, a Europa tem laços muito fortes com a região, devido ao seu acolhimento a milhões de cidadãos europeus de origem magrebina,  traduzindo esta ponte do estreitamento das relações e da promoção de oportunidades de desenvolvimento conjunto entre as duas partes. .

No que se refere ao aspecto político, a revista “Intervento” explicou que a Europa é a região mais próxima do Magrebe, a 14 quilômetros do Estreito de Gibraltar, lembrando que “tudo o que se passa nesta região, ou na vizinha região do Sahel, tem inevitavelmente um impacto direto sobre a estabilidade da região ou em ”toda esta zona.”

Por outro lado, o autor do artigo acrescenta: “É do interesse da comunidade trabalhar no sentido de encontrar uma solução política em torno deste conflito”.

A revista lamenta que a União Europeia “tenha escolhido o papel de espectador passivo por quase meio século”, acrescentando que parece que alguns dos seus membros preferem manter uma posição de impasse e  a tensão regional entre Marrocos e Argélia, objeto de “ interesses geoestratégicos, econômicos ou políticos''. ”

A revista italiana esclareceu que a União Europeia, de facto, tem todos os meios e capacidades para acompanhar, de forma mais dinâmica e participativa, Marrocos e a Argélia para chegar à solução política e realista, de acordo com a comunidade internacional, e com base nas diferentes  resoluções do Conselho de Segurança das Nações Unidas.

Tal revista italiana "Intervento" anotou ainda que este compromisso só pode ser alcançado através de um forte apoio à iniciativa de autonomia para o Saara sob a soberania marroquina,  única forma democrática capaz de garantir aos povos da região a possibilidade de gerir os seus próprios assuntos, num clima de estabilidade, desenvolvimento e integração regional.

Por outro lado, a revista mencionou que os Estados Unidos declararam claramente, em dezembro de 2020, a sua posição sobre a questão do Saara,  reconhecendo a plena soberania de Marrocos sobre o saara, tal decisão histórica em linha com a posição adotada por todos os republicanos e também administrações democráticas anteriores,  apoiando a proposta de autonomia, como uma solução justa e duradoura para esta disputa regional.

Notícias sobre o saara ocidental-Corcas


 

 Este site não será responsável pelo funcionamento e conteúdo de links externos !
  Copyright © CORCAS 2022