الـعـربية Español Français English Deutsch Русский Português Italiano
sexta-feira, 7 de outubro de 2022
 
 
 
As Sessões

Entrevista do Presidente do Conselho Real com o canal Regional de televisão Laâyoune, após o encerramento da primeria Sessão do conselho consultivo real para os assuntos saranianos. Ocasião pela qual o presidente encontrou o jornalista intrevistador do canal Tv, tratando sobre o dossiê do saara, e as espectativas para a solução e acabar com este conflito regional.



Encontro exclusivo reservado para o Presidente pelo canal da televisão regional  – Laâyoune, após o cencerrameto dos trabalhos da primeira sessão do Conselho Real Consultivo para os Assuntos saranianos, pelo ano 2008

 Apresentação da animadora do programa senhora Fatiha Lamin:  O Presidente do Conselho Real consultivo real para os Assuntos saranianos, bem-vindo para esta entrevista com o canal da televisão regional Laâyoune.

 Presidente: muito obrigado:

Animadora do programa : Primiero, senhor Presidente em relação as últimas decisões das Organizaçoes da ONU 1813, na sua opinião,  isso não significa uma vitória para a posição marroquina?

Presidente: com efeito, sim, a resolução das Nações Unidas constitui um grande sucesso e histórico para o Reino do Marrocos em nível diplomático, e sem orgulhar de fato, o Marrocos realizou  um passo importante num momento decisivo e histórico contra este conflito em nível do conselho da segurança.

Em realção 1813, o Conselho chama as partes para envolver-se com a questão com vista à resolução das partes do problema de maneira directa, mas com prova do realismo e do consensos, sem poder anexar este conflito e admitindo que o projecto marroquino é sério e credível e que reconhece as perrogativas a favor dos habitantes do Sara, diante do projeto de autodeterminação.

 O projecto marroquino é imediatamente uma prova que constitue uma autodeterminação, porque coloca a disposição os poderes  Executivos, em nível constitucional, jurídico, financeiro  e económico.
Esta resolução provem assim de uma experiência e que faz a aproximação da comunidade internacional.

A resolução 1754 detem uma nova maneira de aproximação junto  a comunidade internacional que a criou, e no qual especificou que os planos precedentes foram abandonados, o conselho de segurança considera que o referendo é ligado à  identificação. O que decorreu  do plano Backer incapaz, mas sim tratando de uma nova ordem que é baseada no projecto marroquino a qual a comunidade internacional chamou de realista e susceptive  em seguida.

Tal projecto baseia-se na negociação directa com vista a chegar a uma solução.
Conforme a decisão 1813 da ONU , esta decisão chama com base numa abordagem de negociação junto aos partidos para  fornecer os atributos em primerio lugar e em segundo lugar produzir-se a prova com realismo em prol das negociações serias e intensivas, viando chegar rapidamente a uma única possível solução política.

Além disso tratar de prolongar a missão do MINURSO para um período de um ano. Sendo que isso é uma decisão que se toma em nivel do conselho de segurança das Nações Unidas.

O conselho de segurança está siente  das coisas que estão sobre a mesa, com um estado de avanço diante da situação que envolve a questão do conflito e com os direitos humanos.

O Marrocos forneceu uma prova   realista e com boa fé e com vontade política. Sendo que a forma diplomática poderá proporcionar meios  para poder regular este conflito que durou  demasiado.

Este projecto deu as explicações aos Estados, aos membros do conselho de segurança que são, em especial os Estados soberanos. Trantando a nível internacional dos paises que apoiaram a proposta como os Estados Unidos os quais explicaram incontestávelmente suas opiniões. Diante da proposta marroquina que baseou-se no plano de autonomia como única solução no âmbito da soberania marroquina.

O reconhecimento dos Estados Unidos da soberania marroquina e o seu reconhecimento que a autonomia é uma solução excelente, que não é so uma ocasião mas sim uma oportunidade para que encontre uma alternativa de solução contra uma posição do conflito duradoura.

Foi a mesma posição manifestada pela França, pela Grã-Bretanha, bem como pela posição da China, da Rússia e de outros Estados que dizem respeito à solução do Sara marroquina com base na proposta marroquina.

Sim, cremos que julgamos e sentimos que a resolução feita tem um objecto e porque abre novas perspectivas com base na resoluçào 1813 tratando de um período histórico para o conflito do  Sara.

Diante da situação as negociações derveria avançar com base  no conteúdo desta ultima resolução. E tendo em vista a necessidade de efectuar uma consequência de disposições desta resolução, tudo para que os partidos possam agir com realismo e consenso.

 Que significa o realismo e o consenso no entender das Nações Unidas?

O Polisario afirma as coisas que não são realista quanto ao referendo

.O referendo é impossível por razões objectivas que não  podem nunca ser de acordo com a dificuldade da distribuição dos troncos sobre diferentes Estados, complicado porque de lá que foi herdado a colonização, acrretando dificuldade diante de encontrar uma impossibilidade de haver uma lista exaustiva de eleitor que satisfaz  todos os partes envolvidas.

Se isso não é possivel para realizar  então  o referendo não pode ter lugar.

As Nações Unidas concluíram que o realismo existe e que as coisas são possíveis desde que outra parte  renuncie as impossibilidade ao inves  de sacrificar o consenso que ainda está posto sobre a mesa.

O consenso significa renunicação as exigências que não se podem realizar. A autonomia é o projecto realista que é também uma concessão marroquina.

Ele trata de uma iniciativa histórica, de modo que o  adversário compreende  até que ponto esta inicativa promove o bem e busca virar a pagina da historia, tratando de não deixar nada sem interrà-lo porque ela   traz esta iniciativa realista susceptivel de aplicação.

Para apresentar a iniciativa de autonomia, diante do Polisario  amarrado, é necessário ter uma poposta corajosa em termos políticos e diplomáticos suficientes e persistes para defender e se opor a velha posição ambígua. Porque o conselho de segurança tinha chamado para tornar a pagina  e renunciar ao impossível, para chegar um ponto de meio ou de equilíbrio.

A autonomia representa este ponto de meio, esta proposta está sobre a mesa das negociações e pode ser uma oportunidade para o Polisario a ser examinada.

Os Estados Unidos explicaram que a o projeto envolve, ele é único porque é uma iniciativa marroquina face ao Polisario que ainda  não esta pronto para aceitar e manifestar favoravelmente diante deste projecto apresentado.

Embora tudo; este projecto constitui uma autonomia que é baseada com fé, e aquilo possa de maneira objetiva ser levado  a uma autonomia.

Uma realização para o Marrocos e para a região com base também nestas positivas iniciativas que a resolução provocou.

Vocês estam forçando os partidos em defesa do consenso. O projeto age com uma nova política do conselho de segurança. Ele não visa somente a política mas aplicando de modo que o desmembramento e/ou a aliança  entre os partidos estejam como preferença, uma política aplicada positivamente  envolve mais os partidos e possiblitando que eles chegassem a um possível acordo.
Sim, com toda a modéstia, creio que Polisario e A Argélia quereriam colocar face a este sucesso botando as sombras, nas quais falam de coisas inaceitaveis.

Polisario e Argélia não podem afirmar que esta resolução não está só pelo lado Marrocos mas sim tal projecto de autonomia chama a todos…

O animador: Presidente, tem sido trazido recentemente numa menção junto aos Nações Unidas chamando todos os partidos à marcas repetidas  encontras em prol de uma solução negociada realista, para poder regular o conflito do Sara. O que pensa?

Não vêem que as explicações do envio especial do Secretário geral das Nações Unidas Sr. Peter Van Walsum quanto à uma solução do problema são considerads como uma realização diante deste conflito que aspira esta soluçào negociada, com base naquilo que Ele afirmou junto as Nações Unidas tratando de cansados deste conflito e porque queriam  que encontrassem uma solução.

A autonomia proposta pelo Marrocos é talvez uma solução para este problema.

Presidente: não, as Nações Unidas não são consideradas como cansados mas no sentido de respeitar um resultado mas após as experiências podem chegar a uma solução efetiva.
O Sr. Peter Van Walsum é conhecido na diplomacia, tanto no seu país de origem Holanda como no seio das Nações Unidas, ele lida com as questões internacionais e as abordagens levadas com base na missão. Detendo uma certa experiência sobre o Sara, é lá onde ele tinha chegado,  para afirmar o que ele tinha dito neste sentido..

Foi em 2005 o envio pessoal do Secretário gera, tinha envolvido neste assunto. Ele realizou visitas a região (o Marrocos,  Argélia, Tindouf, e a Mauritânia) três vezes ou mais de 4.

As negociações são a base da solução deste diferendo, a sua conclusão demostra essa experiência, além disso a sua experiência apareceu nos sectores internacionais e no seu uso e relações perfeitas no decorrer do processo do sara.

Ofereceu ao Polisario, ao Marrocos, à Argélia e á Mauritânia uma audição. Também ofereceu-nos uma audição em prol das negociações.

É exprimido no sentido de chegar  a uma conclusão face a este problema visando a sua resolução, se o Polisario renuncia ao separatismo, ele pode ter claramente enchergando a solução do Sara-diante da questào da independência pouco realista.

O que significa de maneira pouco realista?

A independência é impossível, porque torna o referendo necessário. O referendo é complicado. Seguidamente aquilo é uma exigência não  criativa mas é pouco realista e lá  nada conduzirá.
Em segundo lugar, ele defende  o separatismo distinto aquilo que é também pouco realista, pedindo a ele ao Polisario de renunciar ao separatismo distinto, para chegar a uma solução.

O que significa isso?

Se a exigência sobre o separatismo distinto e sobre a independência não é possível, então a solução de meio permanece então realista, onde  há nem vencedores nem derrotador ou malogro. E também trata da própria posição das Nações Unidas que confirma a posição da iniciativa marroquina que é ligada a poposta de autonomia.

A autonomia é uma solução de meio que satisfaz todos os Saranianos e quanto às suas exigências e as consequências resultantes, sobre o que cria o Saranianos face as suas exigências?

Querem que a prioridade da administração de autonomia esteja tribuída, garantindo a eles a prioridade em relação  as instituições, ao governo e as outras instituições, para que os Saranianos possam gerir os seus negócios por eles mesmos. De acordo com os principios enquadrados objeto da autonomia como único objetivo realista.

Muito obrigado
Que Deus o abençõe.
Noticias sobre o saara ocidental-Corcas 

 

 

 Este site não será responsável pelo funcionamento e conteúdo de links externos !
  Copyright © CORCAS 2022