الـعـربية Español Français English Deutsch Русский Português Italiano
quinta-feira, 23 de maio de 2019
 
 
 
Detalhes

E a Argélia, que acolhe a Polisário, dando-a praticamente um território extra-soberano nos campos de Tindouf, sendo a Argélia que a arma e levanta uma campanha diplomática contra.

O Embaixador Representante Permanente de Marrocos junto às Nações Unidas, Omar Hilale tratou sobre os fundamentos históricos, a base jurídica e as dimensões políticas do Saara marroquino, no Comité Seminário de 24 ( C24) da Assembleia Geral da ONU, pelo Caribe, realizada em Granada 2 a 4 do mês de maio corrente .



O Sr. Hilale, na primeira vista, confirmou que a questão do Saara é uma questão de integridade territorial e da soberania nacional de Marrocos, e não uma questão de descolonização.

Explicando os redutores referênciais históricos, truncados e seletivos da disputa sobre o Saara marroquino para a delegação argelina, o Embaixador do Reino sublinhou que a questão do Saara decorrente de 1963 ou  1975 como tenta  fazer acreditar a Argélia, enquanto esta questão enraizada na história de Marrocos e de sua identidade.

Lembrando que antes da colonização espanhola do Saara, no final do século 19, esta área nunca foi uma terra nullius "nullus terra" e tem sido sempre parte do território nacional de Marrocos. Isto foi confirmado pelo parecer consultivo do Tribunal Internacional de Justiça de 1975. Ele reconheceu a existência de laços de lealdade do povo do Saara para com os reis de Marrocos e da autoridade marroquina Soberana sobre esta região.

O Sr. Hilale acrescentou que essa lealdade continua sendo prestado anualmente para a Sua Majestade o Rei na ocasião do Dia do Trono.

Ele disse ainda foi  o Marrocos, não Argélia ou outros países, que registrou  o problema do Saara para as Nações Unidas em 1963 como um território que lhe pertence, enquanto ela estava ainda sob ocupação espanhola.

A Polisario nem sequer existe e reconhecida por Argélia. Nesse mesmo ano, quando o Marrocos aderiu à Organização de Unidade Africana, ele foi o único a emitir suas reservas quanto ao princípio da inviolabilidade das fronteiras herdadas da era colonial, sendo convencido da legitimidade da sua reivindicação no território do Saara, prosseguiu explicando o diplomata marroquino.

O Sr. Hilale anotou que as resoluções das Nações Unidas na época solicitadas à Espanha para  entregar-se o Saara ao Marrocos por meio de negociações. Isso foi conseguido com a assinatura do Acordo de Madri em 1975, depositado junto ao Secretário Geral das Nações Unidas e reconhecido pela Assembléia Geral da ONU. Selando definitivamente, assim, o retorno do Saara à pátria, Marrocos.

Em resposta às afirmações tendenciosas e errôneas do chefe da delegação argelina, em particular os chamados oportunidades perdidas para resolver esta questão, Omar Hilale demonstrou com provas e argumentos em apoio, a prescrição de todos os planos anterior, definitivamente enterrados pelo Conselho de Segurança e Secretário-Geral da ONU, desde 2004, e pelos quais Argélia e Polisario continuam a defender.

Interrogando sobre  a omissão deliberada da rejeição da Argélia do Acordo-Quadro de 2001 e a apresentação pelo ex-presidente da Argélia, em 2001, e da apresentação pelo Enviado Pessoal ate então, da proposta da Argélia da partição do Saara, como solução, que o Marrocos rejeitou com firmeza.

"Onde está o princípio da autodeterminação? de que direito um país pode propor a divisão de outro? Sobre que direito ele pode propor a divisão de uma população? O Marrocos respondeu que existe apenas uma população no território: uma população marroquina saaraui, e o Marrocos nunca aceitará que seja dividido, supostamente para encontrar uma solução ", afirmou  Hilale.

O Sr. Hilale, além disso, revelou perante os participantes desta reunião a responsabilidade da Argélia na génese e manutenção desta disputa regional.

"E a Argélia que criou a Frente Polisário, é a Argélia que a acolhea, praticamente lhe dá um território extra-soberano em Tindouf. Os únicos campos no mundo geridos por uma entidade não-etática- é a Argélia que a arma, liderando a campanha diplomática, ela paga Independentemente campanhia Diplomatática do -groupe lobista para redigir as notas, fazer campanhas para o Polisario e enviar tweets. Agora, a Argélia está nas mesas redondas. É normal que a Argélia, que estava no início desta disputa, esteja no fim ", martelou ele.

Voltando à análise da questão nacional pelas Nações Unidas, o embaixador de Marrocos indicou que após o fracasso de todos os planos anteriores, e em resposta ao apelo do Conselho de Segurança e da comunidade internacional, o Marrocos apresentou em abril de 2007, a Iniciativa de Autonomia para a resolução definitiva da disputa sobre o Saara, cujo destaque foi consagrado em todas as resoluções do Conselho desde a sua apresentação.

Reportando-se aos encontros recentes  e ao impulso positivo gerado pelo processo de mesa redonda em Genebra, o que constitui  uma verdadeira oportunidade a não desperdiçar, Hilale salientou que o Conselho de Segurança definiu as partes reais envolvidas nesta disputa, Marrocos, Argélia, Mauritânia e Polisario e que não existe mais, para o corpo executivo das Nações Unidas, de "partes e países vizinhos".

Ele também anotou que a última resolução do Conselho de Segurança, 2468, adotada em 30 de abril de 2019, citou a Argélia tantas vezes quanto o Marrocos. "Agora, a Argélia tem uma parcela de responsabilidade reconhecida e registrada por sua presença nas duas mesas redondas de Genebra", sublinhou ele.

Acrescentando que as duas mesas-redondas foram realizadas em Genebra com representantes democraticamente eleitos no Sara marroquino, expondo os avanços democráticos e socioeconómicos respectivos nas regiões, e "como eles  demonstraram aqui no seminário de Granada ".

O embaixador Hilale também denunciou a oposição da Argélia ao recenseamento  de populações nos campos de Tindouf, em violação das resoluções do Conselho de Segurança desde 2011 e do direito internacional humanitário.

"Os campos de Tindouf são os únicos no mundo onde nem as Nações Unidas nem qualquer agência da ONU sabe quantas pessoas vivem lá. Nós sempre solicitamos um censo ", insistiu ele.

Hilale, em seguida, destacou conquistas políticas e os desenvolvimentos socioeconômicos nas províncias do sul. "O Sahara avança, o Saara se constitui, o Saara se restructura, sendo muito grato que o vice-presidente da região de Laayoune-Sakia El Hamra tem explicado tudo durante o seminário"  disse ele.

O embaixador Hilale concluiu anotando que o Marrocos envolveu o processo político sob a égide do Secretário-Geral das Nações Unidas, fazendo para  a facilitação do seu enviado pessoal, com base nas resoluções do Conselho de Segurança desde 2007. E a este respeito, ele esclareceu que a Resolução 2468 do Conselho de Segurança estabeleceu os parâmetros e os pilares da solução que deve ser política, realista, pragmática, durável e baseada no compromisso.

"Esperamos que o compromisso de cada um vai levar definitivamente a esta solução que trará a paz e a segurança na região, permitindo a reconstrução do Grande Magrebe, que a África precisa tão urgentemente", insistiu ele.

-Actualidade sobre a questão do Sara Ocidental / Corcas-

 

 Este site não será responsável pelo funcionamento e conteúdo de links externos !
  Copyright © CORCAS 2019