الـعـربية Español Français English Deutsch Русский Português Italiano
vendredi 16 avril 2021
 
 
 
A la une

O Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas foi interrogado, segunda-feira, em relaçao às violações dos direitos humanos cometidas contra o povo saarauis nos campos de Tindouf,  Argélia, implicando a responsabilidade das autoridades deste país na repressão, na tortura e no sequestro de opositores no campos de Tindouf.


Na margem desta intervenção, mantida no segundo ponto da ordem do dia; no quadro da quadragésima sexta sessão do Conselho dos Direitos do Homem, o defensor dos direitos humanos sarauí, Adnan Barreh chamou a atenção do Alto Comissário das Nações Unidas para os Direitos do Homem da situação de “ milhares saarauis, denunciando o silêncio nos campos de Tindouf, sudoeste da Argélia, onde a Polisario e as suas milícias armadas semeiam o terror “, sufocando, por diversos meios, o protesto e a ira popular nos campos.

“Tendo dito estar confiante ao empenhar, sendo  a voz daqueles que nao têm a voz, defendendo o caso de milhares saarauis condenadas ao silêncio nos campos de Tindouf, sudoeste da Argélia, onde a Polisário e as milícias armadas semeiam o terror e controlam com fogo e sangue, aproveitando a cumplicidade das autoridades argelinas ”, afirmou Brayeh, tal grupo de polisario ignora os apelos do Secretário-Geral das Nações Unidas, as decisões dos órgãos; bem como os mecanismos de direitos humanos da ONU; reconhecendo a responsabilidade direta do Estado argelino nas graves violações dos direitos humanos, cometidos por suas forças e milícia Polisario.

Berih se referiu ao caso de seu irmão, Ahmed Khalil Berih, ex-integrante da Polisario, sequestrado janeiro de 2009 pelos serviços de inteligência argelinos, enquanto investigava as violações cometidas por líderes separatistas.

“De fato, o Estado argelino sempre se recusa a revelar o destino de meu irmão, Ahmed Khalil Braih,  sequestrado por seus serviços de inteligência, janeiro de 2009 em Argel, quando era como assessor de direitos humanos do Secretário da Polisário, contra  decisão do Comitê de Direitos Humanos, chamando em julho de 2020, as Manifestações nos campos de Tindouf para exigir a sua libertação.

Finalmente, Adnan Brayeh exortou o Alto Comissário para os Direitos Humanos a "trabalhar para que as autoridades argelinas assumam a sua responsabilidade, salvaguardando os direitos dos saarauis no seu território, de acordo com os requisitos do sistema de direitos humanos das Nações Unidas, colocando fim à impunidade dos algozes. "

Notícias sobre o saara ocidental/Corcas

 

 Le site n'est pas responsable du fonctionnement et du contenu des sites web externes !
  Copyright © CORCAS 2021